Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    O ato de licitar refere-se à oferta de algum bem ou serviço à coletividade, para que se atinja o valor mais adequado e plausível, mediante lances
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
Últimas Notícias / HOSPITAL JARDIM CUIABÁ

Tamanho do texto A- A+
13.04.2018 | 16h59
Novos gestores terão que pagar aluguel de R$ 1 milhão mensais
Valor se refere a mobiliário da atual administradora; decisão é do juiz Yale Sabo Mendes
Arquivo/MidiaNews
O juiz da 7ª Vara Cível, Yale Sabo Mendes, que assinou a decisão
DA REDAÇÃO

A nova administração do Hospital Jardim Cuiabá terá de pagar R$ 1 milhão por mês a título de aluguel referente aos itens de mobiliário e equipamentos que pertencem aos atuais ocupantes do imóvel.

O valor foi estipulado em decisão concedida nesta sexta-feira (13) pelo juiz da 7ª Vara Cível, Yale Sabo Mendes, que apontou a necessidade de evitar "prejuízo a qualquer das partes".

Nesta semana, o Tribunal de Justiça autorizou a rescisão antecipada do contrado de arrendamento que havia entre as empresas Importadora e Exportadora Jardim Cuiabá Ltda, que retomou o controle da unidade, e a arrendatária, Hospital Jardim Cuiabá Ltda.

O prazo para a concretização da troca expira no dia 19 de abril quando, segundo a assegurou a administradora, os atendimentos serão mantidos regularmente

De acordo com a decisão, o prazo para a concretização da troca expira no dia 19 de abril quando, segundo a assegurou a administradora, os atendimentos serão mantidos regularmente.

Para o juiz, porém, os investimentos feitos pela arrendatária desde o início do contrato, em 2003, não podem ser enquadrados como "benfeitorias", que "fariam jus a qualquer indenização". Tal fato, de acordo com o magistrado, permitiriam sua retirada.

"Da mesma forma, é intuitivo saber que as partes Autoras [Importadora e Exportadora Jardim Cuiabá Ltda] não poderão dar continuidade no exercício dessas atividades sem fazer uso de todo esse conjunto de bens móveis acrescidos", considerou o juiz.

Para evitar tanto o prejuízo de um lado, quanto a incapacidade de manter o atendimento do outro lado, o juiz reconheceu ser necessária uma "medida salomônica" - que não necessariamente agrada aos dois lados.

"Diante da proximidade do término do prazo (...) conferido na decisão do Agravo de Instrumento, bem ainda a necessidade precípua de garantir a máxima efetividade nas decisões judiciais, sem que disso resulte prejuízo a qualquer das partes (...) entendo plausível a fixação do aluguel mensal no valor de R$ 1.000.000,00 (hum milhão de reais)", afirmou o juiz, na decisão.

Mendes fixou, ainda, prazo de 180 dias para que os novos administradores façam a substituição dos mobiliários e equipamentos que pertencem à empresa Hospital Jardim Cuiabá Ltda, de propriedade dos empresários Arilson Costa de Arruda e Fares Hamed Abouzeid Fares.

"Fica a parte requerida expressamente proibida de retirar qualquer equipamento/utensílio considerado útil e necessário para a continuidade na prestação dos serviços", determinou o juiz.

Veja o fac-símile abaixo:


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
22.10.18 17h28 » Leonardo Campos oficializa candidatura à reeleição na OAB-MT
22.10.18 17h17 » Fraude em licitação
22.10.18 16h00 » Juiz nega tirar tornozeleira e proíbe procurador de viajar para o RJ
22.10.18 15h30 » José Borges e Mauro Curvo disputam o comando do MPE em MT
22.10.18 15h21 » Fala de Eduardo Bolsonaro é golpista, diz Celso de Mello
22.10.18 15h19 » PF abriu 469 inquéritos para investigar crimes eleitorais
22.10.18 15h10 » “O Judiciário quer paz, mas a redução de duodécimo é impensável"
20.10.18 11h53 » Por que não tributar?
20.10.18 11h44 » Desembargador manda soltar investigadores suspeitos de tortura
20.10.18 11h38 » Juiz afirma que cabo da PM "não merece qualquer credibilidade"



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet