Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    O habeas corpus protocolado em favor do ex-presidente Lula começou juridicamente errado
  • RENATO GOMES NERY
    Livro expõe como a polícia americana age para debelar o crime organizado, com a aplicação da Lei Rico
Últimas Notícias / EMBARGOS DOS EMBARGOS

Tamanho do texto A- A+
11.04.2018 | 15h28
Em recurso, Lula critica fala de Moro sobre "patologia protelatória"
Defesa do ex-presidente entrou com tal recurso no Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Reprodução
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
FERNANDO MARTINES
DO CONSULTOR JURÍDICO

Ao determinar a execução da pena ao ex-presidente Lula, o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, afirmou que “hipotéticos embargos de declaração em embargos de declaração constituem apenas uma patologia protelatória e que deveria ser eliminada do mundo jurídico”. De qualquer forma, a defesa do ex-presidente entrou, nesta terça-feira (10), com tal recurso no Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Na petição, feita pelos advogados dos escritórios Teixeira, Martins Advogados e José Roberto Batochio Advogados Associados, a defesa ressalta que não se pode presumir que um recurso legal seja apenas uma ferramenta para postergar aplicação da pena antes mesmo de ele ser apresentado.

Os defensores ainda afirmam que Moro fez “considerações que não são de sua função enquanto magistrado e, portanto, estranhos ao interesse da Justiça”, já que não cabe a ele julgar os novos embargos. Os advogados ressaltam que o Superior Tribunal Justiça entende ser perfeitamente cabível a oposição de embargos de declaração para esclarecer, complementar ou aperfeiçoar os atos judiciais.

Quanto ao mérito em si, a defesa tenta provar que Moro é suspeito para julgar Lula, o que seria provado por comentários agressivos e palavras de hostilidade proferidas pelo juiz após o final do julgamento. O TRF-4 já analisou essa situação e a desconsiderou, mas os advogados voltaram ao tema.

A defesa também afirma que o que a denúncia descreve não é real, mas, caso fosse, seria o caso de tráfico de influência, e de não corrupção. Reclama ainda de que Sergio Moro não permitiu a averiguação de uma suposta cooperação informal entre Brasil e Estados Unidos na “lava jato” que teria afetado o caso.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2018
13.07.18 17h35 » Damásio Educacional oferece cursos de pós-graduação online
13.07.18 17h08 » Presidente do STF não vê urgência e nega HC a empresário
13.07.18 16h06 » Conduta vedada
13.07.18 15h42 » Juiz nega absolver servidor que acusou procurador e promotor
13.07.18 15h39 » PGR é contra retirar Moro da ação sobre Lula no caso do sítio de Atibaia
13.07.18 15h37 » MPE pede afastamento e indisponibilidade dos bens de Soares
13.07.18 15h33 » Justiça do RN concede liberdade a Henrique Eduardo Alves
13.07.18 11h12 » Direitos decorrentes do atraso na obra
13.07.18 11h01 » Ex-prefeita de Juara
13.07.18 10h58 » Insegurança jurídica



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet