Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    O ato de licitar refere-se à oferta de algum bem ou serviço à coletividade, para que se atinja o valor mais adequado e plausível, mediante lances
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
Últimas Notícias / INVESTIGAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
10.01.2018 | 15h42
PF não encontra ‘ato intencional’ na morte de Teori Zavascki, diz delegado
Ministro estava em aeronave de pequeno porte que caiu no litoral fluminense em janeiro de 2017
Carlos Humberto/SCO/STF
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, que morreu em uma queda do avião
RENAN RAMALHO
DO G1

O delegado Rubens Maleiner disse nesta quarta-feira (10) que, até o momento, a Polícia Federal não encontrou qualquer elemento a indicar “ato intencional” na queda do avião, em janeiro do ano passado, que matou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki.

Em entrevista à imprensa, o delegado ressalvou que as investigações sobre o episódio ainda não terminaram, mas que até agora, a hipótese de falha humana é a “linha principal” das apurações.

“A possibilidade de um ato intencional contra aquele voo foi bastante explorada em diversos exames periciais e atos investigatórios diversos e nenhum elemento nesse sentido foi encontrado, pelo contrário. Os elementos que atingimos até agora todos conduzem a um desfecho não intencional e trágico naquele voo”, afirmou.

A declaração foi feita após uma reunião de Maleiner com a presidente do STF, Cármen Lúcia, que pediu a investigação da PF após a morte de Zavascki. O ministro estava entre os passageiros de uma aeronave de pequeno porte que caiu no litoral fluminense na tarde do dia 19 de janeiro de 2017.

Teori era relator dos processos da Lava Jato no STF. Com a morte dele, os processos ficaram sob os cuidados do ministro Edson Fachin, definido como novo relator por sorteio eletrônico.

Além da Polícia Federal, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), ligado à Força Aérea Brasileira (FAB), também apura as causas do acidente. Segundo Maleiner, o objetivo da Aeronáutica tem caráter preventivo, enquanto que a PF busca eventuais condutas de pessoas responsáveis.

Para o delegado, ainda faltam perícias para uma “posição mais efetiva” sobre as causas do acidente. “É um conjunto de fatores que podem ter levado aquele desfecho e repito, que dizem respeito somente às condições meteorológicas, as trajetórias e alturas desempenhadas pelo piloto naquela tentativa de aproximação de Paraty e o cotejo disso com regras do tráfego aéreo com relação à condição de voo, visual e por instrumentos, essas são as linhas principais”, afirmou.

O delegado não quis fixar um prazo para o fim das investigações: “Estamos próximos de terminar”, disse.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
22.10.18 17h28 » Leonardo Campos oficializa candidatura à reeleição na OAB-MT
22.10.18 17h17 » Fraude em licitação
22.10.18 16h00 » Juiz nega tirar tornozeleira e proíbe procurador de viajar para o RJ
22.10.18 15h30 » José Borges e Mauro Curvo disputam o comando do MPE em MT
22.10.18 15h21 » Fala de Eduardo Bolsonaro é golpista, diz Celso de Mello
22.10.18 15h19 » PF abriu 469 inquéritos para investigar crimes eleitorais
22.10.18 15h10 » “O Judiciário quer paz, mas a redução de duodécimo é impensável"
20.10.18 11h53 » Por que não tributar?
20.10.18 11h44 » Desembargador manda soltar investigadores suspeitos de tortura
20.10.18 11h38 » Juiz afirma que cabo da PM "não merece qualquer credibilidade"



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet