Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    A improbidade no Brasil tem feito com que cada vez mais pessoas se afastem da prestação de serviços públicos
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Vale ressaltar que a prisão não extingue o débito alimentar, não isentando o devedor de pagar os valores vencidos e vincendos
J. do Trabalho / XINGOU NO FACEBOOK

Tamanho do texto A- A+
16.01.2018 | 10h15
Juiz confirma justa causa de empregado que ofendeu empresa nas redes sociais
O trabalhador acionou a Justiça do Trabalho pedindo o reconhecimento da nulidade da justa causa aplicada
Reprodução
Trabalhador xingou a empresa em sua página pessoal no Facebook
DO CONSULTOR JURÍDICO

Ofender a empresa em que trabalha nas redes sociais geral demissão por justa causa. Com esse entendimento, o juiz Rafael de Souza Carneiro, da 16ª Vara do Trabalho de Brasília, manteve a dispensa por justa causa aplicada por uma drogaria a um operador de logística que publicou, em sua página pessoal no Facebook, mensagem difamatória contra a empresa.

Para o magistrado, o conteúdo da manifestação publicada pelo trabalhador se mostra absolutamente inadequado, por expor a empresa a uma situação vexatória perante os clientes e demais funcionários.

O trabalhador acionou a Justiça do Trabalho pedindo o reconhecimento da nulidade da justa causa aplicada, com o consequente pagamento das verbas rescisórias devidas na dispensa injustificada, ao argumento de que não praticou qualquer conduta que o desabonasse no ambiente de trabalho e que motivasse a dispensa.

Reputo evidenciada a prática de ato lesivo da honra do empregador, o qual foi vítima de uma exposição difamatória em rede social de grande expressão

Em sua decisão, o magistrado lembrou que a justa causa é a pena máxima da relação de emprego, por meio da qual se manifesta o poder disciplinar inerente à figura do empregador, cuja atuação deve se balizar pelos princípios da imediaticidade, proporcionalidade, legalidade e gravidade da conduta, "competindo-lhe o ônus de provar cabalmente os fatos que a ensejaram, a teor dos artigos 818 da CLT e 373 (inciso II) do Código de Processo Civil (CPC)".

E, para o juiz, a empresa conseguiu provar a conduta reprovável do trabalhador. Como mostram as provas, ficou clara a conduta censurável e irresponsável do autor da reclamação em face da empresa, uma vez que documento juntado ao processo revela que o trabalhador publicou, na sua página pessoal do Facebook, manifestação cujo conteúdo se mostra absolutamente inadequado, expondo a empresa na qual trabalhava a uma situação vexatória perante os clientes e demais funcionários, disse o magistrado.

"Reputo evidenciada a prática de ato lesivo da honra do empregador, o qual foi vítima de uma exposição difamatória em rede social de grande expressão, com elevado potencial de propagação, atitude que, em virtude de sua gravidade, mostra-se suficiente para a quebra definitiva da fidúcia necessária à manutenção do vínculo de emprego", destacou o magistrado. Assim, caracterizada a falta grave que levou à dispensa por justa causa, o magistrado julgou improcedente a reclamação trabalhista.

Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-10.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2018
21.08.18 08h57 » Juíza manda Correios indenizar família de funcionário morto
15.08.18 18h17 » Juiz declara ex-Sefaz inelegível e anula a eleição da Fiemt
14.08.18 17h10 » Ex-executivo perde ação de R$ 7 mi contra Shopping de Cuiabá
06.08.18 16h15 » Desembargador do TRT determina busca e apreensão de urnas
Julho de 2018
28.07.18 10h31 » TRT acata recurso e mantém candidatura de Gustavo de Oliveira
19.07.18 16h06 » Juiz do TRT suspende chapa de ex-secretário e adia eleição
11.07.18 14h58 » Juíza do Trabalho anula leilão de mineradora de Mauro Mendes
Junho de 2018
13.06.18 15h27 » TRT condena empresa a pagar R$ 10 mil a menor
Maio de 2018
04.05.18 17h09 » Ex-funcionária que mentiu em ação deve pagar R$ 7 mil para loja
04.05.18 16h57 » Supermercado é condenado a pagar R$ 300 mil por assédio moral



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet