Artigos
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Órgão é essencial para a democracia e melhor desempenho da administração pública
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    Só agora se vê a efetiva possibilidade de uma compensação financeira
  • RENATO GOMES NERY
    Temos um presidente cercado de militares que namora com o autoritarismo
J. do Trabalho / REFORMA TRABALHISTA

Tamanho do texto A- A+
13.01.2018 | 09h13
Juiz homologa redução de jornada negociada entre patrão e empregado
As partes acordaram a redução da jornada da trabalhadora, sem alteração no valor da hora trabalhada
Jana Pessôa/Setas-MT
Após o ajuste, levaram o acordo à homologação da Justiça do Trabalho.
DO CONSULTOR JURÍDICO

Em vigor desde novembro, a reforma trabalhista (Lei 13.467/17) inseriu na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) a possibilidade de empregador e empregados negociarem diretamente, sem a participação de sindicato.

Para isso, a reforma criou um novo capítulo na CLT para tratar da chamada jurisdição voluntária, ou a possibilidade de a Justiça do Trabalho homologar acordos extrajudiciais. Entre os pontos passíveis de negociação está a jornada de trabalho.

Foi com base nesse novo capítulo que uma trabalhadora e uma operadora de plano de saúde firmaram um acordo extrajudicial. As partes acordaram a redução da jornada da trabalhadora, sem alteração no valor da hora trabalhada, por necessidades particulares da empregada. Após o ajuste, levaram o acordo à homologação da Justiça do Trabalho.

O juiz Max Carrion Brueckner, da 5ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, homologou acordo. "Homologo o acordo ajustado pelas partes nos termos dos artigos 855-B e seguintes da CLT (redação dada pela Lei 13.467/17), uma vez que ambas as partes estão representadas por advogados, inexistindo evidência de vício de vontade, bem como os documentos demonstram a necessidade de a trabalhadora reduzir a jornada por questões familiares", registrou.

Conforme as novas regras, expostas no artigo 588-B da CLT, o início do processo de homologação de acordo extrajudicial ocorrerá por petição conjunta das partes, sendo que cada parte deve, obrigatoriamente, ser representada por advogado. 

Já o artigo 855-D prevê que o juiz terá prazo de 15 dias, contados a partir da distribuição da petição, para analisar o acordo, designar audiência caso entenda necessário e proferir a sentença. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-4.

Processo 0021904-35.2017.5.04.0005


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2019
19.01.19 09h19 » Trabalhador e testemunha são condenados por mentir em juízo
12.01.19 11h20 » Justiça proíbe que garis trabalhem em caçamba de caminhões
10.01.19 17h47 » JBS vai indenizar empregado que usou uniforme com publicidade
07.01.19 14h59 » TRT nega recurso e trabalhador receberá R$ 216 mil por acidente
Dezembro de 2018
12.12.18 16h23 » Empresa vai ter que indenizar motoboy vítima de assaltos
03.12.18 17h10 » Empresa vai pagar R$ 100 mil e pensão vitalícia a ex-funcionário
Novembro de 2018
30.11.18 16h53 » Comper terá que indenizar ex-funcionária chamada de "pretinha"
26.11.18 11h30 » Empresa vai indenizar trabalhador ridicularizado por ser gordo
22.11.18 10h14 » JBS terá que pagar R$ 2 mi por irregularidade em frigorífico de MT
21.11.18 10h41 » Empresa de limpeza terá que indenizar trabalhadora ofendida



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet