Artigos
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Órgão é essencial para a democracia e melhor desempenho da administração pública
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    Só agora se vê a efetiva possibilidade de uma compensação financeira
  • RENATO GOMES NERY
    Temos um presidente cercado de militares que namora com o autoritarismo
J. do Trabalho / JUSTA CAUSA

Tamanho do texto A- A+
28.11.2017 | 11h47
Chefe de cozinha é demitido por mandar pornografia à colega
O próprio trabalhador confessou ter enviado as mensagens e acabou perdendo ação
Reprodução
Ele foi acusado de mandar mensagens pornográficas por e-mail em pleno horário de trabalho
DA REDAÇÃO

O envio de imagens pornográficas durante o horário de trabalho para uma colega custou o emprego de um trabalhador. A decisão da empresa de dispensá-lo por justa causa foi confirmada pela 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT), que considerou o comportamento ofensivo o suficiente para causar a quebra da confiança que deve existir entre patrão e empregado.

O trabalhador foi dispensado por justa causa por assédio sexual contra uma empregada da empresa. Ele foi acusado de mandar mensagens pornográficas por e-mail em pleno horário de trabalho, além fazer insinuações de que ela deveria manter relações íntimas com ele no estabelecimento da empresa.

Sem saber mais como lidar com aquela situação, a trabalhadora assediada apresentou queixa-crime contra as investidas e advertiu seus superiores. A empresa abriu sindicância, colheu o depoimento do autor, ouviu testemunhas e, ao final, se convenceu de que as acusações eram verdadeiras.

Ao questionar na Justiça do Trabalho sua dispensa por justa causa, o ex-empregado alegou que teve um envolvimento com a trabalhadora e, por isso, a acusação de assédio não se sustentaria. A empresa, por usa vez, argumentou que mesmo que houvesse um relacionamento recíproco entre os envolvidos, as mensagens enviadas em horário de trabalho seriam suficientes para a dispensa motivada.

Ele era chefe de cozinha e tinha 27 subordinados e a empregada trabalhava em um bar da empresa.  Conforme a decisão, esse fato mostra que ele tinha certa influência hierárquica sobre ela. Além disso, o trabalhador não negou que tivesse enviado as fotos com mensagens com propostas de atos libidinosos na sede da empresa.

Conforme a decisão do Tribunal o ponto principal da controvérsia é o mau procedimento do empregado, que enviou as imagens e as mensagens em torno das 8h da manhã, quando estava em seu local de trabalho.

Após o julgamento das provas apresentadas, os magistrados da 1ª Turma não tiveram dúvidas de que a penalidade foi aplicada de forma correta. “A decisão de origem que não reverteu a justa causa não merece reparos, até porque se o estabelecimento permitisse tais atitudes entre seus empregados a reputação do local turístico de respeito seria desmoronada”, explicou o relator do processo, desembargador Edson Bueno.

O pedido de danos morais por exposição de suas imagens no processo também foi negado pelo Tribunal. Conforme a 1ª Turma, a indenização não é devida, já que o próprio trabalhador confessou ter enviado as mensagens com as fotos pornográficas em horário e local de trabalho. “A documentação dos autos é restrita às partes e seus procuradores, correndo o feito em segredo de justiça, razões pelas quais não houve qualquer ato ilícito por parte da Empregadora, senão legítimo exercício do direito de defesa”, finalizou o relator.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2019
19.01.19 09h19 » Trabalhador e testemunha são condenados por mentir em juízo
12.01.19 11h20 » Justiça proíbe que garis trabalhem em caçamba de caminhões
10.01.19 17h47 » JBS vai indenizar empregado que usou uniforme com publicidade
07.01.19 14h59 » TRT nega recurso e trabalhador receberá R$ 216 mil por acidente
Dezembro de 2018
12.12.18 16h23 » Empresa vai ter que indenizar motoboy vítima de assaltos
03.12.18 17h10 » Empresa vai pagar R$ 100 mil e pensão vitalícia a ex-funcionário
Novembro de 2018
30.11.18 16h53 » Comper terá que indenizar ex-funcionária chamada de "pretinha"
26.11.18 11h30 » Empresa vai indenizar trabalhador ridicularizado por ser gordo
22.11.18 10h14 » JBS terá que pagar R$ 2 mi por irregularidade em frigorífico de MT
21.11.18 10h41 » Empresa de limpeza terá que indenizar trabalhadora ofendida



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet