Artigos
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    O posicionamento do STF amplia a possibilidade de surgimento de novas empresas e de ampliação de postos de trabalho
  • LEONARDO CAMPOS
    Impôs derrotas acachapantes, renovou na medida de sua vontade e deixou claro suas prioridades mais imediatas
  • VICTOR MAIZMAN
    Para que o Executivo possa exigir a taxa do pagador de tributos, tal cobrança deve estar respaldada em lei
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Na atualidade, é comum a ocorrência de erros de empresas que não realizam a devida atualização realizando cobranças de forma indevida
J. do Trabalho / AÇÃO CIVIL

Tamanho do texto A- A+
23.10.2017 | 18h11
MPT pedirá à Justiça divulgação oficial da lista do trabalho escravo
No site da pasta, a lista tem dados até julho. Essa nova lista tem informações até outubro
Reprodução
A lista suja de empregadores será divulgada pelo ministro do Trabalho
BLOG DO MATHEUS LEITÃO

O Ministério Público do Trabalho (MPT) deve entrar com uma ação civil pública na Justiça para que seja divulgado oficialmente o Cadastro de Empregadores flagrados com mão de obra análoga à de escravo, conhecido como lista suja do trabalho escravo.

A lista foi revelada neste domingo pelo programa Fantástico, da TV Globo, mas ainda precisa ser divulgada pelo Ministério do Trabalho. No site da pasta, a lista tem dados até julho. Essa nova lista tem informações até outubro.

A publicação é regulamentada por uma portaria interministerial de maio de 2016, que determina a atualização semestral das informações.

A divulgação dos nomes enfrenta, contudo, um imbróglio jurídico, que fez com que o Ministério do Trabalho ficasse sem divulgar a lista de 2014 a 2017.

Segundo o blog apurou, o MPT deve pedir, nesta nova ação, não só a divulgação oficial da lista no site do Ministério do Trabalho, mas também contestará a portaria 1129, que mudou os critérios de definição de trabalho escravo e restringiu, inclusive, a divulgação da lista.

A portaria foi publicada no Diário Oficial da União na semana passada e determinou que jornadas extenuantes e condições degradantes, a partir de agora, só serão consideradas trabalho análogo à escravidão se houver restrição de locomoção do trabalhador.

A lista suja de empregadores será divulgada pelo ministro do Trabalho, e não mais pelo corpo técnico do ministério, e a fiscalização só poderá ser feita com a presença de policiais.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
10.10.18 15h55 » Empresa vai indenizar funcionária grávida acusada de furto
05.10.18 15h46 » Fazenda é condenada por trabalho análogo à escravidão em MT
Setembro de 2018
29.09.18 11h53 » Trabalhadora é condenada por pedir verba já paga por patrões
12.09.18 17h03 » Souza Cruz terá que indenizar ex-empregado ferido em roubo
06.09.18 17h33 » Ex-funcionária é condenada a ressarcir empresa em R$ 47 mil
06.09.18 14h31 » TST condena dona da Unic por "demissões vexatórias" em Cuiabá
Agosto de 2018
31.08.18 11h33 » Empresa vai indenizar trabalhador que se acidentou duas vezes
21.08.18 08h57 » Juíza manda Correios indenizar família de funcionário morto
15.08.18 18h17 » Juiz declara ex-Sefaz inelegível e anula a eleição da Fiemt
14.08.18 17h10 » Ex-executivo perde ação de R$ 7 mi contra Shopping de Cuiabá



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet