Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
J. do Trabalho / PROTEÇÃO AO TRABALHADOR

Tamanho do texto A- A+
08.07.2017 | 08h32
Acidente na volta para casa dá direito a estabilidade de emprego
Foi o que entendeu a juíza Junia Marise Lana Martinelli, titular da 20ª Vara do Trabalho de Brasília
Reprodução/Imagem ilustrativa
DO CONSULTOR JURÍDICO

Um acidente no caminho de volta para casa após a saída do trabalho gera direito de estabilidade provisória no emprego. Foi o que entendeu a juíza Junia Marise Lana Martinelli, titular da 20ª Vara do Trabalho de Brasília, ao determinar o pagamento de verbas rescisórias a uma trabalhadora.

A trabalhadora foi atropelada em novembro de 2012, quando voltava para casa, depois do expediente. Por ter sofrido várias fraturas e ferimentos, ficou afastada por 1 ano e 7 meses, período em que recebeu auxílio-doença acidentário.

Quando pôde voltar ao trabalho, em junho de 2014, a empresa se opôs porque não concordava com a alta médica previdenciária. No processo, a autora da ação afirmou que só voltou ao trabalho em agosto de 2014 e foi demitida em novembro daquele mesmo ano.

Com esses argumentos, pediu o reconhecimento da garantia provisória de emprego previsto em lei e o pagamento das verbas rescisórias devidas.

A empresa alegou que mesmo com a alta do INSS, a trabalhadora não foi liberada pelo médico do trabalho para retornar às suas funções, de modo que durante esse período o contrato de trabalho se manteve suspenso, não sendo sua responsabilidade arcar com o referido pagamento.

Acidente de trabalho

A juíza explicou que o processo trata da hipótese de acidente de trabalho por equiparação, sendo irrelevante para fins de reconhecimento da estabilidade o fato de o trabalhador estar, no momento do acidente, em atividade no local e horário de trabalho.

Assim, para a magistrada, estão presentes todos os pressupostos para se conceder a estabilidade provisória pelo período de 12 meses após o fim do auxílio doença, nos termos do artigo 118 da Lei 8.213/1991.

Esta garantia, explicou a juíza, impediria a dispensa sem justa causa até junho de 2015. Com a decisão, a empresa foi condenada a pagar todas as verbas rescisórias devidas até 23 de julho de 2015, além de fornecer toda a documentação para habilitação no seguro-desemprego.

Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-10.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
17.10.18 16h55 » JBS deve pagar R$ 1 milhão por expôr funcionários a risco em MT
10.10.18 15h55 » Empresa vai indenizar funcionária grávida acusada de furto
05.10.18 15h46 » Fazenda é condenada por trabalho análogo à escravidão em MT
Setembro de 2018
29.09.18 11h53 » Trabalhadora é condenada por pedir verba já paga por patrões
12.09.18 17h03 » Souza Cruz terá que indenizar ex-empregado ferido em roubo
06.09.18 17h33 » Ex-funcionária é condenada a ressarcir empresa em R$ 47 mil
06.09.18 14h31 » TST condena dona da Unic por "demissões vexatórias" em Cuiabá
Agosto de 2018
31.08.18 11h33 » Empresa vai indenizar trabalhador que se acidentou duas vezes
21.08.18 08h57 » Juíza manda Correios indenizar família de funcionário morto
15.08.18 18h17 » Juiz declara ex-Sefaz inelegível e anula a eleição da Fiemt



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet