Artigos
  • SÂMYA SANTAMARIA E CLAUDINÉIA SIMON
    Se o seu tataravô praticou um dano ambiental na área rural que agora é de sua propriedade, você irá responder pelo dano
J. do Trabalho / LONGA ESPERA

Tamanho do texto A- A+
25.05.2017 | 08h51
TST confirma danos morais por expectativa frustrada de emprego
Manter um processo de admissão por três meses e não contratar gera direito a indenização
Flickr/TST
Entendimento é da 2ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho
DO CONJUR

Manter um processo de admissão por três meses e não contratar gera frustração e direito de indenização. Com esse entendimento, a 2ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu que um montador de andaimes receberá R$ 2,6 mil por danos morais de uma construtora.

A decisão da turma alterou entendimento do Tribunal Regional da 24ª Região (MS), que compreendeu que o desapontamento do trabalhador por não conseguir nova colocação no mercado de trabalho não foi suficiente para caracterizar a existência de dano moral. De acordo com TRT, o dano somente existiria se ele tivesse pedido demissão do emprego anterior, levado por promessa de trabalho, “o que não é o caso”, diz a decisão.

Na reclamação trabalhista, o montador disse que antes da contratação morava gratuitamente no alojamento de outra empresa, recebendo por serviços prestados, e perdeu a oportunidade de dar continuidade à sua ascensão profissional e ainda perdeu o alojamento.

Segundo a empresa, em nenhum momento houve qualquer promessa ou sequer proposta de trabalho para o empregado. Ele é que a teria procurado em busca de vaga, e que, tendo saído do alojamento anterior, e sem ter onde permanecer, recebeu permissão da assistente de Recursos Humanos, sem autorização de superior hierárquico, para ficar no alojamento da empresa durante o fim de semana.

A ministra Maria Helena Mallmann, relatora do recurso do operário na 2ª Turma, votou no sentido de condenar a empresa à indenização por dano moral por expectativa de contratação frustrada. Mallmann, que qualificou o ato da empresa como ofensivo ao dever de lealdade e boa-fé, ressaltou que a contratação não foi efetivada após um longo processo admissional, com a apresentação de documentos e a alocação do empregado no alojamento por três dias.

“O empregador tem o dever de agir com lealdade, lisura, respeito e consideração com o empregado, sobretudo pelo seu estado de necessidade econômica, sua condição de hipossuficiente”, concluiu. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
13.06.18 15h27 » TRT condena empresa a pagar R$ 10 mil a menor
Maio de 2018
04.05.18 17h09 » Ex-funcionária que mentiu em ação deve pagar R$ 7 mil para loja
04.05.18 16h57 » Supermercado é condenado a pagar R$ 300 mil por assédio moral
03.05.18 17h28 » MPT aciona Atacadão por falta de alvará contra incêndio
Fevereiro de 2018
23.02.18 14h11 » Justiça anula assembleia; diretoria retoma comando da Fecomércio
Janeiro de 2018
16.01.18 10h15 » Juiz confirma justa causa de empregado que ofendeu empresa nas redes sociais
13.01.18 09h13 » Juiz homologa redução de jornada negociada entre patrão e empregado
Dezembro de 2017
28.12.17 14h12 » Demissão de trabalhador com Parkinson é discriminatória, diz juiz
14.12.17 10h06 » JBS paga R$ 200 mil em indenização por danos morais
12.12.17 08h52 » JBS firma acordo com MPT e pagará R$ 650 mil por demissão em massa



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet