Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
J. do Trabalho / INDENIZAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
08.05.2017 | 08h30
Vendedor agredido com galho de árvore receberá R$ 20 mil
Funcionário era agredido por não atingir metas de vendas da empresa
Flickr/TST
Decisão pela indenização é da 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho
DO CONJUR

Uma empresa foi condenada a pagar R$ 20 mil de indenização por dano moral a um vendedor submetido a condutas abusivas na cobrança de metas, entre elas agressão com galhos de árvore. De acordo com a 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, a prática reiterada de ofensas por parte de um gerente configurou assédio moral, passível de indenização.

O trabalhador disse que, nas punições pelo descumprimento de metas, tinha de praticar polichinelos e escrever à mão, 50 vezes, as rotinas básicas do vendedor. Em uma das situações, afirmou que foi obrigado a sentar, vendado, em fila indiana com mais de 20 colegas. De um lado, receberam borrifadas de água, e do outro, apanharam com galhos de árvore, sendo obrigados a gritar cantos motivacionais. Segundo testemunha, o gerente justificou que essa técnica servia para demonstrar a capacidade dos empregados de superar dificuldades.

A representante da empresa na audiência reconheceu que o gerente realizou condutas abusivas e, por se recusar a mudar de atitude, foi dispensado. No entanto, a defesa da empresa alegou não haver prova de dano moral ao vendedor e afirmou que a cobrança de metas faz parte do poder diretivo do empregador.

Com base nos depoimentos das testemunhas, o juízo de primeiro grau deferiu indenização de R$ 7 mil, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) aumentou o valor para R$ 20 mil. Segundo o TRT, o poder diretivo e a possibilidade de cobrança de metas possuem limites, e não autorizam o empregador, por meio de seus prepostos, a submeter os empregados a situações vexatórias.

A empresa recorreu ao TST, mas o relator, ministro João Oreste Dalazen, entendeu que houve ofensa à honra do vendedor. De acordo com o ministro, a situação caracterizou assédio moral, que ocorre quando o superior abusa rotineiramente de sua autoridade, expondo os subordinados a situações humilhantes. “A cobrança de metas, caso extrapole os limites da razoabilidade e afronte a dignidade da pessoa humana, efetivamente configura a prática de assédio moral”, concluiu. A decisão foi unânime. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
17.10.18 16h55 » JBS deve pagar R$ 1 milhão por expôr funcionários a risco em MT
10.10.18 15h55 » Empresa vai indenizar funcionária grávida acusada de furto
05.10.18 15h46 » Fazenda é condenada por trabalho análogo à escravidão em MT
Setembro de 2018
29.09.18 11h53 » Trabalhadora é condenada por pedir verba já paga por patrões
12.09.18 17h03 » Souza Cruz terá que indenizar ex-empregado ferido em roubo
06.09.18 17h33 » Ex-funcionária é condenada a ressarcir empresa em R$ 47 mil
06.09.18 14h31 » TST condena dona da Unic por "demissões vexatórias" em Cuiabá
Agosto de 2018
31.08.18 11h33 » Empresa vai indenizar trabalhador que se acidentou duas vezes
21.08.18 08h57 » Juíza manda Correios indenizar família de funcionário morto
15.08.18 18h17 » Juiz declara ex-Sefaz inelegível e anula a eleição da Fiemt



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet