Artigos
  • HÉLCIO CORRÊA
    Tanta tirania e distorção como falsa defesa da ordem jurídica. Aqui toda autocracia judicial tem custo alto e perigoso à democracia
  • VICTOR MAIZMAN
    É preciso que o empreendedor tenha conhecimento dos seus direitos assegurados não apenas na legislação, como na própria Constituição Federal
J. do Trabalho / BIÊNIO 2017/2019

Tamanho do texto A- A+
27.01.2017 | 15h17
MPT em Mato Grosso tem novo procurador-chefe
Eleição ocorreu na reunião do Colégio de Procuradores, no dia 10 de janeiro, em Cuiabá
Reprodução
Marcel Bianchini Trentin é o novo procurador-chefe do MPT-MT
DA ASSESSORIA

Marcel Bianchini Trentin é o novo procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) para o biênio 2017-2019. A eleição ocorreu na última reunião do Colégio de Procuradores, realizada no dia 10 de janeiro, em Cuiabá.

O procurador foi lotado na Sede após participar, em novembro de 2016, de concurso de remoção. Ao falar sobre os desafios da nova gestão, salientou que sua administração vai buscar lutar para manter os avanços institucionais e interinstitucionais conquistados nos últimos anos.

 

"Os desafios são muitos, principalmente em momentos de crise nas instituições, crises orçamentárias, investidas contra o Direito do Trabalho, a Justiça do Trabalho e Ministério Público. Nós, do Ministério Público do Trabalho, somos os guardiões da ordem jurídica trabalhista. Estamos na linha de frente dessa defesa. O ideal é usar essa adrenalina gerada pela crise como mecanismo de transformação, evolução", salientou.

Assume como procurador-chefe substituto Rafael Mondego Figueiredo, em Cuiabá desde agosto de 2016, e como procuradora-chefe eventual Thaylise Campos Coleta de Souza Zaffani. O resultado da eleição consta na Portaria nº 7, de 12 de janeiro, da Procuradoria Geral do Trabalho.

Trentin é natural de Bauru e tem 31 anos. Formou-se em Direito na Faculdade de Direito de Bauru, Instituição Toledo de Ensino, em 2008. Atuou como advogado por cerca de quatro anos e ingressou na carreira de procurador do Trabalho após ser aprovado no 18º concurso do MPT, em 2014.

Foi lotado, inicialmente, na Procuradoria do Trabalho no Município (PTM) de Alta Floresta, a qual, até o ano passado, coordenava. "Alta Floresta foi minha lotação inicial. Temas como meio ambiente do trabalho em frigoríficos, cerâmicas, construção de usinas hidrelétricas, o grande impacto social das usinas hidrelétricas na região, o combate ao trabalho escravo em propriedades rurais, fizeram com que minha experiência inicial na carreira fosse bem intensa. Isso foi ótimo. A experiência dessa atuação para a chefia é o conhecimento das demandas no interior do estado", afirma.  

Mudanças

Além de Marcel Bianchini Trentin, o MPT em Mato Grosso recebeu em sua Sede os procuradores Antônio Pereira Nascimento Júnior, Lys Sobral Cardoso e Bradiane Farias Ribeiro Lima. Eles se juntam aos procuradores André Canuto de Figueirêdo Lima e Jéssica Marcela Schneider. O procurador Francisco Breno Barreto Cruz assume a PTM de Cáceres, temporariamente transferida para Cuiabá.

No interior também houve mudanças. Na PTM de Rondonópolis passam a atuar Bruno Choairy Cunha de Lima e Vanessa Martini. A PTM de Barra do Garças, que funciona atualmente em Rondonópolis, conta agora com o procurador Elcimar Rodrigues Reis Bitencourt.

A PTM de Sinop, que já contava com a procuradora do Trabalho Thalma Rosa de Almeida Furlanetti, recebeu um novo membro, o procurador Douglas Nunes Vasconcelos. Já em Alta Floresta assumem os procuradores Ana Lúcia Stumpf González e Hélio de Oliveira Cardoso Filho.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2017
22.09.17 19h15 » Alvo de ação milionária, Riachuelo diz que MPT destrói empregos
18.09.17 15h41 » TST equipara assessor de imprensa a jornalista para pagamento de horas extras
Agosto de 2017
24.08.17 18h10 » Tribunal do Trabalho de SP aceita intermediar acordos pelo WhatsApp
23.08.17 17h51 » Ex-funcionária mente em ação trabalhista e é condenada a pagar multa
15.08.17 15h51 » Homem é indenizado após ficar impotente temporariamente
14.08.17 15h49 » Empresa não pode suspender planos de saúde de afastados por doença
01.08.17 09h49 » Férias: atraso de 2 dias não exige valor em dobro, diz TST
Julho de 2017
31.07.17 09h56 » Trabalhador que mentiu sobre demissão é condenado por litigância de má-fé
29.07.17 08h52 » Quem pede demissão grávida não tem direito a estabilidade, decide TST
28.07.17 15h04 » Demitida pelo WhatsApp será indenizada em R$ 10 mil



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet