Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
TCE / DECISÃO

Tamanho do texto A- A+
08.05.2018 | 15h57
TCE homologa veto a 13º salário de vereadores na atual legislatura
Conselheiro diz que aprovação de benefício por parlamentares atuais fere disposto constitucional
Alair Ribeiro/MidiaNews
O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Luiz Carlos Pereira
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) homologou, nesta terça-feira (8), a medida cautelar que veta o pagamento de 13º salário aos atuais vereadores de Cuiabá. A decisão foi unânime e ainda passará pela análise do mérito.

Os conselheiros seguiram entendimento do relator, Luiz Carlos Pereira, de que a concessão do benefício aos parlamentares da atual Legislatura fere o princípio constitucional da anterioridade.

A representação de natureza interna, com pedido de medida cautelar, foi formulada pelo Ministério Público de Contas, contra a Câmara, sob a gestão de Justino Malheiros (PV).

“Não ignoro que o direito ao 13º salário encontra assento em recente entendimento do plenário do STF, reconhecendo ser devido e constitucional o pagamento do 13º salário como também de 1/3 de férias aos membros do Poder, agentes políticos do Executivo e do Legislativo”, disse o relator.

Vislumbrei que a legislatura anterior não fixou o pagamento de 13º para legislatura no atual período de 2017 a 2020, o que em tese, violaria o disposto constitucional

“Na hipótese em tela, específica quanto aos vereadores, deve-se ter atenção aos limites constitucionais do total das despesas do Legislativo Municipal e ao próprio subsídio do vereador além dos limites constantes em lei”, afirmou.

De acordo com o conselheiro, o pagamento somente teria valor se fosse aprovado pela Legislatura 2013/2016.

“Sob esses pontos, vislumbrei no caso que não houve menção ao princípio da anterioridade. Vislumbrei que a legislatura anterior não fixou o pagamento de 13º para legislatura no atual período de 2017 a 2020, o que, em tese, violaria o disposto constitucional e o entendimento do STF de que o subsídio dos vereadores deve ser fixado antes do processo eletivo municipal”, completou.

O benefício foi criado em dezembro de 2017 e vale tanto aos vereadores quanto aos servidores do Legislativo.

Além disso, eles aprovaram uma Revisão Geral Anual de 6%. Com isso, teriam um aumento de R$ 900 em seus salários e passariam a ganhar R$ 15,9 mil por mês.

Leia também:

TCE suspende pagamento do 13º dos vereadores de Cuiabá


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 15h04 » TCE suspende pregão de R$ 8,5 milhões da Prefeitura de Cuiabá
13.10.18 11h37 » Prefeito de Juína é multado por falta de transparência
11.10.18 18h04 » TCE determina indisponibilidade de bens de gestores do Impro
11.10.18 17h48 » TCE anula ato da licitação do transporte público na Capital
09.10.18 11h40 » TCE determina que prefeito de Poconé respeite a LRF
08.10.18 17h12 » TCE aprova contas de fundo do Judiciário sem ressalvas
08.10.18 17h01 » Ex-prefeito é condenado a devolver mais R$ 377 mil ao erário
08.10.18 16h59 » Proponente terá que devolver R$ 20 mil para a Cultura de MT
05.10.18 15h32 » Ex-presidente da Câmara de Várzea Grande perde recurso
05.10.18 15h30 » Tribunal de Contas de MT mantém multas a ex-gestores



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet