Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
TCE / DECISÃO

Tamanho do texto A- A+
12.03.2018 | 17h17
Produtora é condenada a devolver R$ 30 mil aos cofres públicos
O valor deverá ser atualizado e corrigido monetariamente a partir de 24/10/2013
Reprodução/TCE
Fachada do Tribunal de Contas de Mato Grosso
DA REDAÇÃO
Por decisão unânime do Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso, a produtora cultural Jôze Farias Ferreira terá que devolver R$ 30 mil aos cofres da Secretaria de Estado de Cultura (SEC).
 
O valor deverá ser atualizado e corrigido monetariamente a partir de 24/10/2013, data em que os recursos foram liberados à conta do projeto “Mostra Olhares sobre o Brasil”, objeto do Termo de Concessão de Auxílio/Convênio 150/2013, celebrado em 09/09/2013 entre a SEC-MT e a produtora cultural.
 
A determinação da Corte de Contas foi emitida na sessão ordinária do Pleno realizada na terça-feira (06.03), em que foi julgado o processo nº 22.259-3/2017, referente a uma Tomada de Contas Especial. O processo teve como relatora a conselheira interina Jaqueline Jacobsen Marques.
 
A Tomada de Contas Especial foi instaurada pela SEC-MT em função da não prestação de contas por parte da convenente. Instaurada a comissão, a produtora cultural foi notificada de sua situação irregular junto à Secretaria, em razão de o prazo para prestação de contas do convênio ter expirado há mais de um mês.
 
Apesar de regularmente notificada, a produtora não se manifestou, e foi julgada à revelia. Na análise das contas do convênio, a Secretaria de Controle Externo do TCE concluiu pela manutenção da irregularidade referente à ausência de prestação de contas.
 
Após analisar os autos, a conselheira relatora acolheu o parecer do Ministério Público de Contas e considerou irregular a Tomada de Contas Especial, condenando a promotora cultural ao ressarcimento dos cofres públicos do Estado, com recursos próprios, no prazo de 60 dias.
 
Na decisão, a promotora cultural foi ainda condenada ao pagamento de multa de 10% sobre o valor da condenação e a sua consequente inabilitação junto à Secretaria e ao Conselho Estadual de Cultura para receber benefícios do Fundo Estadual de Política Cultural de Mato Grosso, bem como dos demais órgãos da esfera estadual.
 
Consta ainda na decisão a determinação para que o processo seja encaminhado ao Ministério Público do Estado, para apuração de eventual responsabilidade criminal e cível pela irregularidade na prestação de contas do Termo de Concessão de Auxílio 150/2013/SEC/MT.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 15h04 » TCE suspende pregão de R$ 8,5 milhões da Prefeitura de Cuiabá
13.10.18 11h37 » Prefeito de Juína é multado por falta de transparência
11.10.18 18h04 » TCE determina indisponibilidade de bens de gestores do Impro
11.10.18 17h48 » TCE anula ato da licitação do transporte público na Capital
09.10.18 11h40 » TCE determina que prefeito de Poconé respeite a LRF
08.10.18 17h12 » TCE aprova contas de fundo do Judiciário sem ressalvas
08.10.18 17h01 » Ex-prefeito é condenado a devolver mais R$ 377 mil ao erário
08.10.18 16h59 » Proponente terá que devolver R$ 20 mil para a Cultura de MT
05.10.18 15h32 » Ex-presidente da Câmara de Várzea Grande perde recurso
05.10.18 15h30 » Tribunal de Contas de MT mantém multas a ex-gestores



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet