Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Processo que apeou do poder a ex-presidente foi golpe ou merda expulsão de ladrões?
  • GISELE NASCIMENTO
    Toda disputa exige o prévio conhecimento das regras, mas também o uso de boa técnica
TCE / DECISÃO UNÂNIME

Tamanho do texto A- A+
12.03.2018 | 17h10
TCE mantém multas aplicadas a ex-presidente da Câmara de Cuiabá
No recurso, João Emanuel questionou a dosimetria aplicada pelo Tribunal de Contas
MidiaNews
João Emanuel: ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Cuiabá
DA REDAÇÃO
Em decisão unânime, o Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso manteve o valor da multa de 2.232 UPFs/MT aplicada ao ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, João Emanuel Moreira Lima.
 
A decisão ocorreu na sessão ordinária do Pleno do dia 6 de março, quando foi julgado o processo de n° 7754-2/2013, referente a recurso impetrado pelo ex-vereador contra a decisão do Acórdão nº 3.525/2015-TP.
 
No recurso, João Emanuel questionou a dosimetria aplicada pelo Tribunal de Contas, por considerar excessivos os valores das multas pelas irregularidades graves e gravíssimas constatadas nas contas anuais de gestão do Legislativo de Cuiabá, durante sua gestão como presidente.
 
No voto, o relator do processo, conselheiro interino Luiz Carlos Pereira, explicou que foi dado tratamento individual para cada irregularidade praticada por João Emanuel, de modo que, para cada uma das condutas danosas ao erário, foi aplicada uma multa proporcional ao dano, sendo 1.000 UPF pelo pagamento de materiais gráficos que nunca foram entregues ao órgão e que resultou em dano aos cofres da Câmara no valor de R$ 1.383.408,67; 1.000 UPFs em decorrência do pagamento de juros e multas por atraso no recolhimento de PIS, Cofins, CSLL, Cuiabá-Prev e INSS, que resultou em prejuízo de R$ 334.644,15; e mais 232 UPFs pela prática de outras 10 irregularidades formais contrárias aos preceitos normativos legais e regulamentares, que não resultaram em danos ao erário.
 
“Desse modo, o valor total das multas aplicadas ao responsável é correspondente a 2.232 UPFs/MT, uma vez que na apreciação de cada uma das condutas sancionadas foi observada a estrita proporcionalidade entre o dano e o grau de reprovabilidade pelo ordenamento jurídico com relação a cada irregularidade atribuída ao responsável, mantendo-se, assim, inalterados todos os termos do Acórdão 3.525/2015-TP”, destacou o relator no voto, que foi seguido pelos demais membros do Pleno do TCE-MT.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
18.04.18 16h59 » Estado pagou duas vezes por obra em ponte
18.04.18 11h14 » TCE suspende pagamento do 13º dos vereadores de Cuiabá
13.04.18 17h41 » TCE nega recurso e OSS e ex-gestor terão que devolver R$ 2,5 mi
12.04.18 10h57 » Empresa de Dória devolve R$ 55 mil aos cofres de Mato Grosso
10.04.18 17h56 » Fiscalização do TCE evita sobrepreço e reduz edital em R$ 4,3 mi
04.04.18 16h25 » Conselheiro cita decisão de Toffoli para tentar retornar ao TCE
04.04.18 09h58 » Taques entrega contas ao TCE e diz não ter “receio” de controle
02.04.18 15h02 » TCE nega pedido de sindicato para barrar terceirização de cargos em MT
Março de 2018
29.03.18 17h19 » Pagamento de alimentação de PMs por meio de cheques é suspenso
25.03.18 16h00 » TCE-MT notifica Dóia a devolver R$ 109 mil aos cofres públicos



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet