Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
TCE / UNANIMIDADE

Tamanho do texto A- A+
20.12.2017 | 16h52
TCE aprova contas do último ano de gestão de Mendes em Cuiabá
Tribunal também considerou demonstrativos da administração como "adequados" e "satisfatórios"
Alair Ribeiro/MidiaNews
Mauro Mendes teve as contas de sua gestão aprovadas pelo TCE
DA REDAÇÃO

O Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) aprovou as contas da Prefeitura de Cuiabá relativas ao exercício de 2016, último ano da administração do ex-prefeito Mauro Mendes (PSB).

A aprovação das contas, por unanimidade, aconteceu em sessão do pleno do TCE-MT, na terça-feira (19/12). O relator do processo foi o conselheiro Luiz Henrique Lima.

Além da aprovação unânime, a avaliação técnica do Tribunal apontou que a administração Mauro Mendes ficou acima da média nacional nas duas principais áreas avaliadas: Saúde e Educação.

Na área da Saúde, dos 10 indicadores avaliados, cinco ficaram acima da média nacional. Na Educação, entre os 10 indicadores avaliados pelo Tribunal seis superaram a média Brasil.

O TCE também considerou os demonstrativos contáveis do último ano da gestão Mauro Mendes como adequados e satisfatórios, e ressaltou que a administração respeitou os limites constitucionais nos investimentos em políticas públicas.

Já no índice de gestão fiscal do município, Cuiabá atingiu o conceito de boa gestão.

As únicas duas irregularidades apontadas pela equipe técnica da primeira relatoria do TCE, indisponibilidade financeira no último quadrimestre do ano e ausência de documentação na transição de governo, foram descaracterizadas pelo conselheiro-relator.

A defesa do ex-prefeito, feita pela banca Silva Cruz & Santullo, apresentou uma série de documentos que foram aceitos pelo relator. 

“O que ocorreu é que a provisão financeira não acompanhou a provisão contábil. Ante o exposto, não houve a contração de despesa sem a disponibilidade de caixa, tão pouco a indisponibilidade financeira apontada, restando descaracterizada a irregularidade”, afirmou Lima.

Sobre a ausência de documentos da transição, foi reconhecida a entrega dos documentos necessários e os que ficaram pendentes foram encaminhados dentro do prazo de fechamento do relatório.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 15h04 » TCE suspende pregão de R$ 8,5 milhões da Prefeitura de Cuiabá
13.10.18 11h37 » Prefeito de Juína é multado por falta de transparência
11.10.18 18h04 » TCE determina indisponibilidade de bens de gestores do Impro
11.10.18 17h48 » TCE anula ato da licitação do transporte público na Capital
09.10.18 11h40 » TCE determina que prefeito de Poconé respeite a LRF
08.10.18 17h12 » TCE aprova contas de fundo do Judiciário sem ressalvas
08.10.18 17h01 » Ex-prefeito é condenado a devolver mais R$ 377 mil ao erário
08.10.18 16h59 » Proponente terá que devolver R$ 20 mil para a Cultura de MT
05.10.18 15h32 » Ex-presidente da Câmara de Várzea Grande perde recurso
05.10.18 15h30 » Tribunal de Contas de MT mantém multas a ex-gestores



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet