Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
TCE / AUDITORIA

Tamanho do texto A- A+
03.10.2017 | 08h45
TCE aponta que 45% dos médicos não cumprem carga horária
Há ainda insuficiência de médicos nas unidades de saúde do primeiro nível de atenção
MidiaNews
Essa foi a 2ª auditoria operacional no sistema de atenção à saúde pública em MT realizada pelo TCE-MT
DA REDAÇÃO

Em auditoria realizada pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) na rede pública de saúde da Capital constatou que 45% da carga horária de trabalho dos profissionais médicos da Atenção Básica não é cumprida.

O estudo tem objetivo de avaliar a qualidade da prestação de serviços médicos na rede pública de saúde de Cuiabá, com ênfase no cumprimento da carga horária dos profissionais médicos.

A auditoria também identificou insuficiência de médicos nas unidades de saúde do primeiro nível de atenção, problema abordado por 66,66% dos coordenadores e 70,58% dos médicos das Unidades de Saúde da Família (USF).

A conclusão técnica foi de que ficou evidente que a estrutura do sistema de saúde em Cuiabá não permite aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), ter acesso universal, integral, com qualidade e em tempo, às ações e serviços médicos, sejam preventivos, seja curativo.

A auditoria ordinária de natureza operacional acerca da prestação de serviços médicos foi autorizada pela Presidência do TCE-MT, em consonância com Plano Estratégico 2014-2015 do TCE-MT, e incluída no Plano Anual de Fiscalização da instituição e no Plano Anual de Atividades da Secretaria de Controle Externo de Auditorias Operacionais da Corte de Contas mato-grossense.

Relatório

O escopo da auditoria foi ampliado para abranger as unidades de saúde da Atenção Primária, Policlínicas, Unidades de Pronto Atendimento e Hospital e Pronto Socorro Municipal.

Na fase de execução da auditoria, foram visitadas 47 unidades de Atenção Primária, entre Centros de Saúde, Unidades de Saúde da Família e Unidades Básicas de Saúde. Algumas dessas unidades foram revisitadas ao final da fase de execução, totalizando-se 54 visitas às unidades da Atenção Primária.

As inspeções foram realizadas entre 8h e 11h e entre 14h e 17h, dentro do horário de funcionamento dessas unidades. Também foram visitadas quatro Policlínicas, duas Unidades de Pronto Atendimento e o Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá.

Como limitação de auditoria, evidenciou-se a discrepância entre os dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e do Portal da Transparência e fragilidades na fidedignidade dos dados apresentados pela SMS Cuiabá acerca do local de lotação dos profissionais médicos.

De acordo com dados extraídos do CNES, em julho de 2016, a rede pública de saúde do município de Cuiabá contava com 88 estabelecimentos de saúde cadastrados como Centros de Saúde, Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Saúde da Família e quatro Policlínicas, duas Unidades de Pronto Atendimento e um Hospital e Pronto e Socorro Municipal.

Conforme relatório fornecido pela Secretaria Municipal de Saúde, o quadro da rede municipal, no que se refere às unidades de saúde que fizeram parte do escopo da auditoria operacional, possui um quantitativo de 596 médicos, distribuídos entre três níveis de atenção.

Segunda auditoria

Essa foi a segunda auditoria operacional no sistema de atenção à saúde pública em Mato Grosso realizada pelo TCE-MT. A primeira auditoria na rede pública de saúde aconteceu em 2014.

Foi verificado naquela ocasião a Atenção Básica, a Assistência Farmacêutica e a Regulação Assistencial. O trabalho resultou na assinatura do Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) com a Secretaria Estadual de Saúde visando a melhoria das políticas públicas. 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
12.12.17 09h43 » Ex-gestores da Câmara terão que restituir cofres públicos
11.12.17 15h51 » Ex-presidente do Detran e empresa terão que devolver R$ 109 mil
01.12.17 16h05 » TCE investiga Silval por "perdão" de R$ 18 mi em dívida da Cemat
01.12.17 08h32 » TCE suspende licitação de R$ 21 milhões da Defensoria
Novembro de 2017
25.11.17 09h40 » TCE: obra que já custou R$ 21 mi não tem "um metro de asfalto"
22.11.17 09h00 » Joaquim vê "ataque político" e diz que ação da PF "fere" honra
17.11.17 16h35 » Conselheiro diz que PGR é “leviana” e o acusa por “suposições”
14.11.17 15h01 » Neto é eleito presidente e diz que crise no TCE-MT será superada
14.11.17 08h16 » TCE suspende licitação com sobrepreço de R$ 5,1 milhões
11.11.17 10h09 » TCE afasta servidores por indícios de ilegalidade em concurso



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet