Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    O Brasil é o paraíso para se levar vantagem em tudo; tudo é negociado
  • VICTOR MAIZMAN
    De forma absurda é preciso criar órgãos para fiscalizar os órgãos de fiscalização
TCE / PRESTAÇÃO DE CONTAS

Tamanho do texto A- A+
17.08.2017 | 15h56
TCE diz ser ilegal AL repassar responsabilidade a gabinetes
Conselheiros entendem que Mesa Diretora também tem responsabilidade sobre gastos de verbas
MidiaNews
O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Domingos Neto, relator do caso
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) entendeu, por unanimidade, ser ilegal responsabilizar cada gabinete parlamentar da Assembleia Legislativa por controle dos seus gastos, além de guardar e conservar os documentos comprobatórios da despesa.

A decisão foi dada em resposta a uma consulta feita pelo presidente do Legislativo, Eduardo Botelho (PSB).

Segundo o documento, o deputado queria saber se cada gabinete pode controlar os seus gastos relativos às aquisições de combustíveis, passagens aéreas e terrestres, incumbindo-lhes a responsabilidade de guarda e da conservação dos documentos comprobatórios da despesa.

Além disso, sobre a possibilidade de a Primeira Secretaria, hoje sob responsabilidade do deputado Guilherme Maluf (PSDB), de apenas fiscalizar a correta prestação de contas, por meio de “relatório simplificado”, a ser encaminhado pelos gabinetes todo o mês.

A responsabilidade direta pelo planejamento, execução e controle é da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa

Para o relator da consulta, conselheiro Domingos Neto, essas despesas devem ser submetidas a um regular processo de planejamento, execução, controle e fiscalização direta da própria administração da Assembleia - ou seja, a Mesa Diretora, sob responsabilidade de Botelho.

O entendimento do relator foi o mesmo da equipe técnica do TCE e do procurador-geral do Ministério Público de Contas, Getúlio Velasco Moreira Filho.

“É ilegal a instituição de verba para custear individualmente a manutenção de gabinete dos parlamentares estaduais, sendo que tais despesas, a exemplo da aquisição de combustível, passagem áreas e terrestres, devem ser submetidas à administração da Assembleia Legislativa, conforme pacifica jurisprudência deste Tribunal”, afirmou Domingos Neto.

“A responsabilidade direta pelo planejamento, execução, controle, fiscalização e prestação de contas das despesas incorridas pela Assembleia Legislativa, inclusive daquelas necessárias a manutenção dos gabinetes de parlamentares, é de sua Mesa Diretora”, completou.

Além do salário de R$ 25,3 mil, cada um dos 24 deputados estaduais recebe a quantia de R$ 65 mil, para cobrir despesas próprias do exercício parlamentar, cuja utilização não sofre controle de prestação de contas.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2019
15.02.19 10h05 » TCE suspeita de conluio e suspende licitação de R$ 3 milhões
14.02.19 09h12 » Presidente ignora interino e sinaliza que dará posse a indicado
13.02.19 17h00 » Provimento do TCE "atropela" AL e inviabiliza o nome de Maluf
09.02.19 10h08 » TCE suspende licitação de R$ 18,9 milhões da Prefeitura de Cuiabá
05.02.19 10h19 » TCE suspeita de lances combinados e suspende licitações em MT
05.02.19 09h58 » Prefeita recorre e conselheiro suspende pedido de intervenção
01.02.19 10h58 » TCE-MT participa de reunião para debater situação fiscal dos Estados
01.02.19 08h20 » TCE faz auditoria no controle de frota dos Municípios de MT
Janeiro de 2019
23.01.19 14h25 » TCE realiza auditoria em "semáforos inteligentes" em Cuiabá
22.01.19 09h32 » TCE define conselheiro que vai relatar contas da gestão Mendes



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet