Artigos
  • THAYSON HENRIQUE MOTA
    Tribunais inferiores continuavam a proferir decisões pela formação de grupo econômico sustentando o poder de comando em face da mera identidade de sócios
  • RODRIGO CARVALHO
    Não cabe a nenhum órgão de controle interno ou externo e ao Judiciário criar limites à função do procurador
  • RENATO NERY
    Quanta gente não se embriagou com milionários cargos públicos supridos pela desenfreada corrupção?
  • VICTOR MAIZMAN
    A Constituição impõe que no tocante ao ICMS, quanto mais essencial for o produto ou serviço, menor deve ser a alíquota
TCE / ILUMINAÇÃO EM CUIABÁ

Tamanho do texto A- A+
09.05.2017 | 17h52
TCE nega recurso e mantém suspenso contrato de R$ 712 milhões
Decisão foi tomada em sessão desta terça-feira; Consórcio havia alegado "obscuridade"
Jocil Serra/Agência Phocus
O conselheiro Luiz Carlos Pereira, relator do processo que manteve suspensão
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso negou novo recurso do consórcio Cuiabá Luz, da Bahia, e confirmou a decisão que suspendeu o contrato de R$ 752 milhões para concessão dos serviços de modernização e manutenção da iluminação pública de Cuiabá.

A decisão foi dada na manhã desta terça-feira (09). A suspensão baseou-se em irregularidades encontradas no edital, além de indícios de que o contrato poderia causar danos financeiros aos cofres públicos.

Com a decisão, as secretarias municipais de Gestão e Serviços Urbanos, bem como a Prefeitura de Cuiabá, continuam impedidos de dar prosseguimento aos atos administrativos decorrentes da concorrência 001/2016 ou emitir ordem de serviço para a empresa Consórcio Luz Ltda.

A medida foi requerida pelo Ministério Público de Contas após o resultado da licitação para a parceria público-privada (PPP) da iluminação pública ter sido divulgado no Diário Oficial de Contas, em dezembro do ano passado. A decisão foi mantida com base no voto do relator do processo, o conselheiro Luiz Carlos Pereira.

Na ação que resultou na suspensão, o Ministério Público de Contas pontuou ausência de transparência das decisões tomadas, com estudos genéricos e superficiais, inexistindo a fundamentação das opções de modelagem da PPP no processo administrativo licitatório.

Também demonstrou que houve desequilíbrio na distribuição dos riscos entre as partes, além de o pagamento da energia elétrica ter ficado apenas a cargo da prefeitura.

Na primeira decisão, o conselheiro apontou indícios de várias irregularidades no certame, entre elas a de possível sobrepreço.

Afirmou, ainda, que as ilegalidades do edital e do contrato, caso confirmadas no mérito, podem induzir à nulidade do contrato, conforme estabelece o §2º, do artigo 49, da Lei de Licitações.

No caso, a anulação do contrato se deve às seguintes irregularidades: não usualidade, desproporcionalidade e ausência de justificativa técnica da exigência de 1.5 de Índice de Liquidez Corrente; risco à eficiência da execução do objeto da PPP ante à previsão de pagamento da conta energia da iluminação pública pelo Poder Concedente; ausência de fundamentação das opções de modelagem da PPP, no processo administrativo licitatório; violação aos princípios da eficiência e da economicidade na fórmula da remuneração mensal do parceiro privado.

Recurso negado

No recurso, o Consórcio Cuiabá Luz alegou que a decisão que suspendeu o contrato possuía "obscuridade intrínseca" e estaria em desacordo com a legislação. O concórsio argumentou que, em razão de ter recorrido, a decisão desfavorável deveria ter sido suspensa até que o TCE julgasse o novo pedido.

O Ministério Público de Contas, em seu parecer, opinou por negar o pedido.

O conselheiro Luiz Carlos Pereira, no voto, destacou que a determinação pela suspensão do contrato não possuía qualquer "omissão, contradição e obscuridade".

"Não há qualquer obscuridade na decisão embargada [...] É natural no sistema processual brasileiro a possibilidade de antecipação de tutela recursal, mesmo em recursos legalmente dotados de efeito suspensivos", votou, sendo acompanhado por unanimidade pelo Pleno.

Leia mais sobre o assunto:

TCE mantém suspenso contrato de R$ 712 milhões em Cuiabá

 

 TCE suspende contrato de R$ 712 milhões da iluminação pública


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
12.10.17 17h30 » Silval iria pagar R$ 10 milhões a Riva para ser indicado ao TCE
11.10.17 17h50 » TCE alerta Governo sobre gasto excessivo com salário de servidor
03.10.17 08h45 » TCE aponta que 45% dos médicos não cumprem carga horária
01.10.17 14h01 » Conselheiro teria usado dinheiro ilícito para comprar canal de TV
Setembro de 2017
29.09.17 14h51 » Pleno mantém decisão que suspendeu licitação de R$ 752 milhões
25.09.17 17h18 » "Os conselheiros substitutos morrerão substitutos", diz Joaquim
25.09.17 13h35 » Conselheiro pede devolução de bens e autorização para falar com esposa
21.09.17 09h01 » TCE fará perícia para saber se houve dolo em sobrepreço
19.09.17 11h42 » Joaquim aponta “nulidade” e pede que STF o reconduza ao cargo
19.09.17 11h05 » Pleno do Tribunal de Contas realiza sessão nesta quinta



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet