Artigos
Enquetes

Você acha que a Lava Jato corre o risco de ser inviabilizada pela lentidão da Justiça?

  • Sim
  • Não
Segunda, 30 de novembro de 2015, 15h33

Tamanho do texto A- A+
TCE / EM VÁRZEA GRANDE
TCE-MT notifica Prefeitura a reavaliar venda de rua
Venda de via pública rendeu multa ao ex-prefeito Murilo Domingos
Divulgação/TCE-MT
José Carlos Novelli: conselheiro determinou cumprimento de decisão
AIRTON MARQUES
DA REDAÇÃO

O conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), José Carlos Novelli, determinou que a Prefeitura de Várzea Grande cumpra, "de forma urgente", decisão anterior do tribunal para cancelar ou reavaliar a venda de uma via pública do município.

A determinação, publicada no Diário Oficial do Estado que circula nesta segunda-feira (30), é referente a alienação da Rua Bandeira, localizada no bairro Vila Governador Ponce de Arruda (fundos da Avenida da Feb), para a empresa Royal Brasil Administração Empreendimentos e Participações Ltda.

A negociação foi feita em 2009 pelo então prefeito Murilo Domingos (PR).

De acordo com o TCE, o ex-prefeito vendeu a área, avaliada em R$ 2,3 milhões, por apenas R$ 23 mil.

Caso tenha interesse pela manutenção da alienação, a atual prefeita, Lucimar Campos (DEM), terá que pedir uma nova avaliação da área. Além disso, deverá cobrar da Royal Brasil a “diferença” entre o que a área vale e o valor pago.

Porém, se Lucimar tiver interesse em reintegrar à via ao município, a prefeita terá que providenciar o cancelamento da compra e venda e a devolução dos valores recebidos da Royal Brasil.

Entenda o caso

No dia 23 de setembro de 2014, o conselheiro José Carlos Novelli condenou o ex-prefeito Murilo Domingos, a pagar multa de R$ 1,07 mil por ter vendido, com dispensa de licitação, a via pública de 1.617,04 m².

Os ex-procuradores municipais Geraldo Carlos de Oliveira e Carlos Garcia de Almeida também foram multados.

Além da aplicação de multa, o conselheiro determinou que a Prefeitura reavaliasse a alienação - caso mantivesse o interesse pela negociação – ou cancelasse o contrato de compra e venda.

“No caso da manutenção do interesse público na alienação, que nova avaliação seja efetivada, observando-se os parâmetros técnicos descritos na informação da Secretaria de Controle Externo de Obras e Serviços de Engenharia de fls. 458 a 467-TC; não havendo interesse na alienação por parte da adquirente, seja providenciado o cancelamento da compra e venda, com a devolução dos valores recebidos da empresa Royal Brasil Administração, Empreendimentos e Participações Ltda”, afirmou o conselheiro em sua primeira decisão.

O ex-prefeito chegou a recorrer da condenação, porém, em agosto deste ano, a conselheira interina Jaqueline Jacobsen negou provimento ao recurso, mantendo a multa.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2017
25.04.17 08h26 » Taques: "TCE permitiu negociatas e venda de vagas"
25.04.17 08h21 » TCE aciona Sefaz para ter acesso a dados de exportadores
24.04.17 10h04 » “Não há nenhuma atitude que diminua Sérgio Ricardo”
20.04.17 08h25 » “Indicação não é menos legítima do que concurso”
13.04.17 08h18 » Assembleia desiste de obra e TCE extingue ação
11.04.17 10h47 » Conselheiro cita contradição e diz provar inocência
10.04.17 11h21 » STJ nega pedido para incluir conselheiro como réu
07.04.17 17h16 » Ex-conselheiro passa mal e faz cirurgia no coração
06.04.17 17h56 » Rede de Controle analisa relatórios sobre o VLT
04.04.17 18h07 » TCE manda dirigente de ONG devolver R$ 405 mil



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet