Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    O ato de licitar refere-se à oferta de algum bem ou serviço à coletividade, para que se atinja o valor mais adequado e plausível, mediante lances
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
CNJ / SUPOSTAS IRREGULARIDADES

Tamanho do texto A- A+
22.02.2018 | 09h50
CNJ vai investigar juíza por suposto não comparecimento em audiências
Na decisão, o Plenário acatou requerimento para pedido de verificação apresentado pela OAB
Reprodução/CNJ
Ministro João Otávio de Noronha: Corregedor Nacional de Justiça
LUCIANA OTONI
DO CNJ

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu, em sessão realizada na terça-feira (20), instaurar Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) para averiguar possíveis irregularidades cometidas pela juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) Myriam Therezinha Simen Rangel Cury, por suposto não comparecimento em audiências de instrução e julgamento. 

Na decisão, o Plenário acatou requerimento para pedido de verificação apresentado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seção Rio de Janeiro, apontando que a juíza Myriam Therezinha Simen Ranel Cury não comparecia às audiências realizadas no Fórum Guapimirin, na Baixada Fluminense, delegando a condução dos julgamentos às suas secretárias.

Isso é coisa que joga por terra a imagem e a seriedade da magistratura

Ao julgar a Revisão Disciplinar (RD) 0003035-75.2012.2.00.0000, a maioria dos 17 integrantes do Pleno do CNJ acompanhou o relator da matéria, conselheiro Rogério Nascimento, cujo voto foi pela averiguação das irregularidades apontadas pela OAB Seção do Rio de Janeiro.

Ao proferir seu voto, o corregedor nacional de Justiça e ministro do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, lamentou o fato dizendo que os magistrados não podem terceirizar o exercício de suas atividades. 

“É triste, juíza não comparece e coloca funcionários para fazer audiência. Isso é coisa que joga por terra a imagem e a seriedade da magistratura”, disse o corregedor.

A partir da instauração do PAD, o CNJ irá apurar as supostas irregularidades para posteriormente julgar o mérito da questão.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
18.10.18 15h32 » Moro diz ao CNJ que "não inventou" fala de Palocci em delação
09.10.18 17h23 » Desembargadora suspeita de beneficiar filho preso é afastada
09.10.18 17h20 » CNJ mantém afastamento de juiz que pretendia recolher urnas
09.10.18 17h17 » "Seguir precedentes significa segurança jurídica", diz Dias Toffoli
09.10.18 17h12 » Precedentes podem ajudar a reduzir morosidade na justiça, diz Ávila
02.10.18 15h17 » CNJ cobra providências do TJ e pede segurança a juiz baleado
Setembro de 2018
29.09.18 08h43 » CNJ afasta juiz que disse que recolheria urnas para Exército fazer perícia
20.09.18 17h11 » CNJ aposenta desembargador acusado de vender liminares
Agosto de 2018
27.08.18 16h33 » Processos judiciais pendentes somam 80 milhões em 2017
27.08.18 16h19 » Juiz custou, em média, R$ 48,5 mil por mês em 2017, diz CNJ



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet