Artigos
  • IRAJÁ LACERDA
    Mato Grosso precisa avançar em ações que potencializem a política pública agroindustrial
CNJ / PEDIDO DE LIMINAR

Tamanho do texto A- A+
13.11.2017 | 16h31
CNJ mantém decisão de Tribunal que criou câmaras descentralizadas
O Tribunal é sediado em Porto Alegre. A decisão foi tomada na 29ª Sessão Virtual do CNJ
Gláucio Dettmar/Agência CNJ
Rogério Nascimento negou liminar a sindicato gaúcho contra a criação de câmaras em Tribunal
RIVADAVIA SEVERO
DO CNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) confirmou a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF4) de criar estrutura de câmaras descentralizadas do Tribunal em Curitiba e Florianópolis. O Tribunal é sediado em Porto Alegre. A decisão foi tomada na 29ª Sessão Virtual do CNJ.

O Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Rio Grande do Sul (Sintrajufe) entrou com uma liminar contra essa decisão do TRF4 alegando que a criação de duas turmas regionais especializadas em matéria previdenciária, violariam o disposto na Resolução 184/13 do CNJ ao criar órgãos sem a autorização legislativa específica e sem manifestação do Conselho.  

No pedido de liminar, o Sindicato sustentava, também, afronta a Resolução CNJ 72/09 que trata da convocação de juízes auxiliares, e a Resolução 194/14, que fixa a atenção prioritária ao primeiro grau. O sindicato diz ainda que a descentralização iria gerar gastos públicos para aqueles que tiverem que se ausentar das suas atividades para julgar questões não unânimes.  

O conselheiro Rogério Nascimento, depois de consulta ao TRF4 e ao Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) do CNJ, resolveu que o pedido de liminar proposto pelo Sindicato é improcedente e determinou o seu arquivamento. Contra essa decisão, o Sindicato interpôs Recurso de Controle Administrativo (0003926-23.2017.2.00.0000) reiterando os seus argumentos, mas o conselheiro negou provimento a esse Recurso.

Em sua argumentação, o conselheiro observou que o pedido do Sindicato somente poderia ser deferido caso houvesse receio de prejuízo fundamentado, dano irreparável ou risco de perecimento do direito invocado, o que, segundo ele, inexiste em qualquer dos requisitos. 

Rogério Nascimento disse em sua decisão que a criação de novas estruturas pelo tribunal não viola a atenção prioritária ao primeiro grau e que, portanto, não vai gerar congestionamento. E que que não há afronta às Resoluções do CNJ. 

Nascimento lembrou também que o CNJ já tomou decisão semelhante no caso de Procedimento de Controle Administrativo que pediu o fechamento de comarcas do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul. Para o conselheiro a Constituição de 1988 definiu que cabe aos tribunais dispor sobre a competência e funcionamento de seus tribunais, secretarias e serviços auxiliares. Ele disse, ainda, que o desmembramento do TRF4 está na esfera da autonomia do Tribunal, previsto na Constituição Federal, e que, inclusive, já é prática em outros tribunais como o TRF1.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2019
12.06.19 15h26 » CNJ arquiva representação contra Moro no caso The Intercept
08.06.19 10h00 » CNJ pede explicações a Bretas sobre publicação em rede social
05.06.19 16h58 » CNJ debate fortalecimento da cooperação entre órgãos do Judiciário
05.06.19 16h30 » Manual lançado em seminário apresenta técnicas para formação
Maio de 2019
24.05.19 08h30 » CNJ manda corregedoria de MT apurar desfile pró-adoção
Abril de 2019
10.04.19 08h24 » CNJ mantém suspensão de contrato entre TJ-SP e Microsoft
Março de 2019
13.03.19 16h44 » CNJ mantém decisão que proíbe TJ-SP de executar contrato
Fevereiro de 2019
25.02.19 09h15 » Decisão de incluir cotas em concurso para cartório é do TJ, diz CNJ
22.02.19 09h55 » CNJ revoga aumento de 46,23% em auxílio-alimentação de juízes
16.02.19 08h51 » CNJ intima juízes que decretaram prisão preventiva



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet