Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
CNJ / ORIENTAÇÃO DO CNJ

Tamanho do texto A- A+
11.04.2017 | 08h48
Cuiabá descarta 62 mil ações arquivadas desde 2011
Documentos eram do Juizado Especial Criminal de Cuiabá (Jecrim)
Reprodução
Processos criminais lotavam 2052 caixas em juizado. Papel foi doado a firma de reciclagem
DA ASSESSORIA

Atendendo orientação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da Recomendação Nº 37/2011 e também a tabela de temporalidade, o Juizado Especial Criminal de Cuiabá (Jecrim) realizou, no último dia 14, o descarte de 62 mil processos arquivados desde 2011.

A gestora administrativa do Jecrim Cuiabá e coordenadora da Comissão de Descarte de Processos, Bernadete Borges Pereira explicou que as ações estavam há cinco anos arquivados, respeitando, assim a tabela de temporalidade. Ao todo, os 62 mil processos estavam guardados em 2.056 caixas e com a ação realizada, liberou um espaço considerável no arquivo do juizado.

O material entregue à empresa de reciclagem passa por uma triagem e fragmentação para manter o sigilo. Em seguida, vai para a esteira, é picotado e prensado e, em seguida, encaminhado para indústrias do Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul, que compram esse papel reciclado e o transforma em papel novo.

Além da liberação de espaço, a gestora ressaltou a questão ligada ao meio ambiente e informou que esse foi um dos motivos do Jecrim procurar a empresa de reciclagem para fazer a destruição dos documentos de forma correta. “Foi uma das nossas preocupações: descartar de forma correta, ao invés de jogar na rua, em locais impróprios”.

Além disso, a empresa de reciclagem paga pelo papel descartado. Com o valor arrecadado Bernadete informou que caberá ao juiz diretor do Jecrim, Mário Kono de Oliveira definir para onde será revertido o valor arrecadado.

A proprietária da empresa de reciclagem Recimat, Vera Lucia Lissoni destacou a ação do Jecrim e disse que esse exemplo deveria ser seguido por mais empresas e órgãos públicos. “Na maioria das vezes o descarte de papel é feito de forma inadequada. Lá fora o papel é lixo, aqui dentro é matéria-prima”, frisou.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
17.11.17 16h36 » Tribunal de Mato Grosso capacita juízes sobre delação premiada
13.11.17 16h31 » CNJ mantém decisão de Tribunal que criou câmaras descentralizadas
Outubro de 2017
31.10.17 11h21 » PM não pode prender quem descumpre monitoramento
30.10.17 11h50 » Corregedor apresenta ações para controle de salário de juízes
27.10.17 16h25 » Durante encontro, corregedor fala sobre comprometimento de juízes
27.10.17 16h04 » "Brasil ainda é patrimonialista e machista", diz Carmém Lúcia
25.10.17 15h36 » CNJ divulga dados do Judiciário sobre violência contra a mulher
25.10.17 15h15 » Corregedor apresenta ações para controle de salário de juízes
24.10.17 17h57 » Juíza aposentada de MT é condenada à pena de disponibilidade
24.10.17 16h31 » Liberdade de expressão exige responsabilidade de juízes, diz Carmém Lúcia



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet