Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
CNJ / PROPOSTA LEGISLATIVA

Tamanho do texto A- A+
30.11.2016 | 15h40
Presidente do CNJ e do STF defende autonomia do Judiciário
Cármen Lúcia, divulgou, em nota, que lamenta a aprovação de proposta de combate à corrupção
Divulgação

A presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, divulgou nota oficial nesta quarta-feira (30/11) na qual lamenta que a aprovação de proposta legislativa que prevê medidas de combate à corrupção venha a ameaçar a autonomia dos juízes e a independência do Poder Judiciário.

Leia a íntegra da nota:

"A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, reafirma o seu integral respeito ao princípio da separação de poderes. Mas não pode deixar de lamentar que, em oportunidade de avanço legislativo para a defesa da ética pública, inclua-se, em proposta legislativa de iniciativa popular, texto que pode contrariar a independência do Poder Judiciário.

Hoje, os juízes respondem pelos seus atos, na forma do estatuto constitucional da magistratura.

A democracia depende de poderes fortes e independentes. O Judiciário é, por imposição constitucional, guarda da Constituição e garantidor da democracia. O Judiciário brasileiro vem cumprindo o seu papel. Já se cassaram magistrados em tempos mais tristes. Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguiu, nem se conseguirá, calar a Justiça."


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
18.10.18 15h32 » Moro diz ao CNJ que "não inventou" fala de Palocci em delação
09.10.18 17h23 » Desembargadora suspeita de beneficiar filho preso é afastada
09.10.18 17h20 » CNJ mantém afastamento de juiz que pretendia recolher urnas
09.10.18 17h17 » "Seguir precedentes significa segurança jurídica", diz Dias Toffoli
09.10.18 17h12 » Precedentes podem ajudar a reduzir morosidade na justiça, diz Ávila
02.10.18 15h17 » CNJ cobra providências do TJ e pede segurança a juiz baleado
Setembro de 2018
29.09.18 08h43 » CNJ afasta juiz que disse que recolheria urnas para Exército fazer perícia
20.09.18 17h11 » CNJ aposenta desembargador acusado de vender liminares
Agosto de 2018
27.08.18 16h33 » Processos judiciais pendentes somam 80 milhões em 2017
27.08.18 16h19 » Juiz custou, em média, R$ 48,5 mil por mês em 2017, diz CNJ



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet