Artigos
  • NALIAN CINTRA
    A mediação é uma ferramenta de extrema relevância para a estabilidade no mundo empresarial
  • HÉLCIO CORRÊA
    Tanta tirania e distorção como falsa defesa da ordem jurídica. Aqui toda autocracia judicial tem custo alto e perigoso à democracia
  • VICTOR MAIZMAN
    É preciso que o empreendedor tenha conhecimento dos seus direitos assegurados não apenas na legislação, como na própria Constituição Federal
CNJ / BUSCA POR RACIONALIDADE

Tamanho do texto A- A+
04.10.2016 | 17h42
CNJ extingue comissão que monitorava projetos de lei no Congresso
A proposta foi apresentada pela presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ, ministra Cármen Lúcia
Gil Ferreira/Agência CNJ
O Plenário do CNJ decidiu por unanimidade
DO CONSULTOR JURÍDICO

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça decidiu, por unanimidade, extinguir a Comissão Permanente de Articulação Federativa e Parlamentar nesta terça-feira (4/10). A proposta foi apresentada pela presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ, ministra Cármen Lúcia. Após conversar com conselheiros que integravam a comissão e outros colegas, ela concluiu pela extinção devido à falta de objeto que justificasse sua existência.

Criada em agosto de 2011 sob o nome de comissão de Acompanhamento Legislativo, a Comissão Permanente de Articulação Federativa e Parlamentar tinha por objetivo identificar e monitorar a tramitação de projetos de lei e demais matérias legislativas de interesse do Poder Judiciário no Congresso Nacional.

O cargo de presidente estava vago desde a saída do conselheiro indicado pelo Senado Federal, Fabiano Silveira, em maio deste ano. Os dois únicos conselheiros que ainda integravam a comissão antes de ser extinta eram Fernando Mattos e Norberto Campelo. 

“Minha proposta foi, para tornar o Conselho mais leve e objetivo e comprometido com resultados concretos das nossas ações, que limpássemos o Conselho desses órgãos que acabam sendo penduricalhos que o enchem, ao contrário de sua proposta, de um lado, e, por outro lado, fazem com que os próprios conselheiros integrantes dessas comissões não saibam o que estão fazendo”, afirmou a ministra Cármen Lúcia. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
18.10.17 17h19 » Causas levam em média três anos e meio na Justiça
Setembro de 2017
05.09.17 16h59 » Corregedor quer dar transparência a salários de juízes
04.09.17 15h46 » Despesa média com juiz no Brasil é de R$ 47,7 mil por mês, informa CNJ
04.09.17 14h46 » Quase 110 milhões de processos passaram pelo Judiciário, segundo CNJ
Agosto de 2017
21.08.17 10h57 » "Também sofro preconceito por ser mulher", diz Cármen Lúcia
16.08.17 11h45 » Decisão do CNJ só autorizou pagamento a uma juíza de MT; veja
16.08.17 08h29 » CNJ determina suspensão de "supersalários" de juízes em MT
11.08.17 17h09 » CNJ fará levantamento de casos de violência contra jornalistas
04.08.17 10h22 » CNJ passa a investigar três magistrados do MS por soltura de filho de desembargadora
Julho de 2017
18.07.17 09h09 » Nepotismo também vale para parentesco em terceiro grau



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet