Artigos
  • GILMAR MENDES
    Esse procedimento acaba sendo o meio para coibir interpretações equivocadas e mesmo abusos na prisão
  • ELVIS KLAUK JR
    Antes de fechar negócio é muito importante verificar se o imóvel está com os respectivos documentos em ordem
  • PAULO LEMOS
    Na política, há um quadro crônico e agudo de delírios, alucinações, desejos, impulsos e compulsões
CNJ / CUSTÓDIA

Tamanho do texto A- A+
14.08.2016 | 15h19
CNJ aponta 334 casos de violências durante prisões
Estatística aponta que 14% das audiências em Mato Grosso tiveram violência no ato da prisão
Gil Ferreira/Agência CNJ
CNJ realizou pesquisa que abordou audiências de custódia no Brasil
LÁZARO THOR BORGES
DO OLHAR DIRETO

Conforme estatística revelada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 14% das audiências de custódia realizadas em Mato Grosso tiveram registros de violência no ato da prisão. Os números foram publicados no Mapa da Implantação da Audiência de Custódia no Brasil. Da região Centro-Oeste, Mato Grosso figura como o segundo do ranking. 

A pesquisa, que foi feita entre os dia 24 de junho e 15 de maio deste ano, abrange todo o país. A pesquisa do CNJ, que inclui os relatos de violência nas prisões, revela que das 2.398 audiências que ocorreram no período, 334 tiveram registros de violência. Em todo o país, o índice salta para 5,56%, com 4.646 casos em 81.439 audiências. Os números revelam ainda que do total de audiências nesse período, 40%(981) resultaram em prisão preventiva. Outros, 1.437 casos, equivalente a 59,92% dos casos, foi concedida a liberdade provisória.

Em um comparativo com os demais Estados da região Centro-Oeste, Mato Grosso está em segundo 'lugar no ranking' e perde somente para Goiás que tem 15,55% de registros de violência (285 casos). No Distrito Federal, no entanto, o índice é de apenas 3%, com 196 registros para um total de 7589 audiências de custódias realizadas. 

TJMT

Dados recentes disponibilizados pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) inforam quanto à realização de 3.019 audiências após um ano de implantação do instituto em Cuiabá. De todos os casos submetidos ao crivo da audiência, 57% foram convertidos em liberdade, isto é, 1.724 indivíduos acusados de cometer crimes e/contravenções foram reinseridas à sociedade com tornozeleira eletrônica.

Já o índice de reingressos, garante a Justiça, é de apenas 6%. Por outro lado, se todos fossem presos, seria necessário construir mais quatro unidades como o Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), que tem capacidade populacional de 392 reeducandos. 

Recentemente ao analisar os dados das audiências em Mato Grosso, a corregedora-geral de Justiça, desembargadora Maria Erotides Kneip, avaliou "já está provado que o encarceramento não reduz a violência e por isso a audiência de custódia está sendo um sucesso, além de ser um grande avanço para a sociedade. As medidas que visam garantir os direitos fundamentais são imprescindíveis ao próprio alicerce social. Precisamos continuar nesse caminho, ampliar o atendimento assistencial, investir na justiça restaurativa. Isso prova que o cidadão que trabalha e estuda não comete crime”.

Audiência de Custódia

O projeto idealizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) prevê a apresentação do preso em flagrante a um juiz no prazo máximo de 24 horas, para que o magistrado avalie a real necessidade da prisão ou aplique uma medida alternativa ao cárcere. Antes de ir para a audiência, ele passa por exame de corpo de delito, com médico legista da Perícia Oficial de Identificação Técnica (Politec), e pela identificação das impressões digitais.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2018
15.01.18 15h10 » Flagrante pesa mais que violência do crime, aponta CNJ
12.01.18 16h34 » Audiência de custódia: tipo de crime e violência pesam em decisões
10.01.18 15h48 » CNJ pode deixar de aplicar leis que considere inconstitucionais, decide STF
Dezembro de 2017
26.12.17 16h01 » 65% dos juízes ganham mais do que o teto de R$ 33,7 mil
18.12.17 16h43 » CNJ e bancos fazem acordo para desjudicializar conflitos
Novembro de 2017
17.11.17 16h36 » Tribunal de Mato Grosso capacita juízes sobre delação premiada
13.11.17 16h31 » CNJ mantém decisão de Tribunal que criou câmaras descentralizadas
Outubro de 2017
31.10.17 11h21 » PM não pode prender quem descumpre monitoramento
30.10.17 11h50 » Corregedor apresenta ações para controle de salário de juízes
27.10.17 16h25 » Durante encontro, corregedor fala sobre comprometimento de juízes



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet