Artigos
  • NALIAN CINTRA
    A mediação é uma ferramenta de extrema relevância para a estabilidade no mundo empresarial
  • HÉLCIO CORRÊA
    Tanta tirania e distorção como falsa defesa da ordem jurídica. Aqui toda autocracia judicial tem custo alto e perigoso à democracia
  • VICTOR MAIZMAN
    É preciso que o empreendedor tenha conhecimento dos seus direitos assegurados não apenas na legislação, como na própria Constituição Federal
CNJ / NOVA PLATAFORMA

Tamanho do texto A- A+
19.07.2016 | 10h00
CNJ institui Diário de Justiça Eletrônico Nacional
O DJEN substitui os atuais diários de justiça eletrônicos mantidos pelos órgãos do Poder Judiciário
Gil Ferreira/Agência CNJ
CNJ atendeu pedido da Ordem dos Advogados do Brasil
DA REDAÇÃO

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instituiu o Diário de Justiça Eletrônico Nacional (DJEN) através da Resolução nº 234, do dia 13 de julho, como plataformas de editais e instrumento de publicação dos atos judiciais dos órgãos do Poder Judiciário. Em Mato Grosso, este pleito havia sido apresentado ao Tribunal de Justiça (TJMT) pela Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) no dia 25 de abril.

As demais Seccionais da entidade no país também apresentaram a demanda ao CNJ. Em abril, a Comissão de Direito Eletrônico (Codel) e a Comissão de Direito Civil e Processo Civil da OAB-MT apresentaram ao presidente do TJMT, desembargador Paulo da Cunha, a necessidade das publicações em Diário de Justiça Eletrônico.

 

Na ocasião, ambas as comissões solicitaram que todas as informações de atos processuais oriundos do Sistema de Processo Judicial Eletrônico (PJe) sejam realizados mediante a publicação no Diário de Justiça Eletrônico, de modo a garantir o efetivo acompanhamento pelos advogados, a exemplo do que já ocorre na Justiça do Trabalho.

 

Conforme o presidente da Codel, Gonçalo Adão, todas as Seccionais da OAB no país entraram junto ao CNJ com o mesmo pleito. “Foi atendido um pedido das Seccionais, aqui em Mato Grosso, protocolamos no TJ e com isso, o CNJ entendeu a necessidade deste Diário Eletrônico”, explicou.

A Resolução nº 234 também institui a Plataforma de Comunicações Processuais (Domicílio Eletrônico) e a Plataforma de Editais do Poder Judiciário.

O DJEN substitui os atuais diários de justiça eletrônicos mantidos pelos órgãos do Poder Judiciário e estará disponível no site do CNJ, e sua publicação substitui qualquer outro meio de publicação oficial, para fins de intimação, à exceção dos casos em que a lei exija vista ou intimação processual.

 

Os órgãos do Poder Judiciário terão um prazo de 90 dias para adequação de seus sistemas de Processo Judicial Eletrônico (PJe), a contar da publicação dos requisitos previstos.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
18.10.17 17h19 » Causas levam em média três anos e meio na Justiça
Setembro de 2017
05.09.17 16h59 » Corregedor quer dar transparência a salários de juízes
04.09.17 15h46 » Despesa média com juiz no Brasil é de R$ 47,7 mil por mês, informa CNJ
04.09.17 14h46 » Quase 110 milhões de processos passaram pelo Judiciário, segundo CNJ
Agosto de 2017
21.08.17 10h57 » "Também sofro preconceito por ser mulher", diz Cármen Lúcia
16.08.17 11h45 » Decisão do CNJ só autorizou pagamento a uma juíza de MT; veja
16.08.17 08h29 » CNJ determina suspensão de "supersalários" de juízes em MT
11.08.17 17h09 » CNJ fará levantamento de casos de violência contra jornalistas
04.08.17 10h22 » CNJ passa a investigar três magistrados do MS por soltura de filho de desembargadora
Julho de 2017
18.07.17 09h09 » Nepotismo também vale para parentesco em terceiro grau



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet