Artigos
  • NALIAN CINTRA
    A mediação é uma ferramenta de extrema relevância para a estabilidade no mundo empresarial
  • HÉLCIO CORRÊA
    Tanta tirania e distorção como falsa defesa da ordem jurídica. Aqui toda autocracia judicial tem custo alto e perigoso à democracia
  • VICTOR MAIZMAN
    É preciso que o empreendedor tenha conhecimento dos seus direitos assegurados não apenas na legislação, como na própria Constituição Federal
CNJ / ACESSO AO JUDICIÁRIO

Tamanho do texto A- A+
08.07.2016 | 16h34
Tribunais devem observar costumes locais antes de regulamentar vestimentas
O pedido foi feito por um professor de Direito e advogado
Gil Ferreira/Agência CNJ
Relatora diz que acesso à Justiça é direito constitucional de todo cidadão
DO CNJ

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou, parcialmente, na 16ª Sessão Virtual, pedido de providências para estabelecimento de norma de vestimenta para acesso ao Poder Judiciário pela população.

De acordo com o voto da relatora, conselheira Luísa Cristina Fonseca Frischeisen, seguido pela maioria dos conselheiros, será expedida uma recomendação aos tribunais para que observem os costumes e tradições locais no momento de regulamentar o assunto. 

O pedido foi feito por um professor de Direito e advogado, cuja pesquisa para tese de mestrado demonstrou que diversos órgãos do Poder Judiciário estariam limitando o exercício do direito de acesso à justiça de diversos cidadãos ao exigirem vestimentas excessivamente formais.

De acordo com o voto da relatora, alguns tribunais sustentam a rigidez de suas regras em virtude do respeito ao decoro, à dignidade e à austeridade do Judiciário. “No entanto, deve-se frisar que o direito de acesso à justiça e, naturalmente, de adentrar nas dependências do Judiciário, é uma garantia constitucional de todo cidadão”.

A conselheira optou por não acatar totalmente o pedido por entender que já existe uma tendência à uniformização de procedimentos e atos administrativos, incluindo as normas sobre o uso de vestimentas nas dependências dos juizados, fóruns e tribunais. Ela citou como exemplo o caso do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP), que dispensou o uso de terno e gravata no exercício profissional nos fóruns e nos seus prédios devido ao clima local.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
18.10.17 17h19 » Causas levam em média três anos e meio na Justiça
Setembro de 2017
05.09.17 16h59 » Corregedor quer dar transparência a salários de juízes
04.09.17 15h46 » Despesa média com juiz no Brasil é de R$ 47,7 mil por mês, informa CNJ
04.09.17 14h46 » Quase 110 milhões de processos passaram pelo Judiciário, segundo CNJ
Agosto de 2017
21.08.17 10h57 » "Também sofro preconceito por ser mulher", diz Cármen Lúcia
16.08.17 11h45 » Decisão do CNJ só autorizou pagamento a uma juíza de MT; veja
16.08.17 08h29 » CNJ determina suspensão de "supersalários" de juízes em MT
11.08.17 17h09 » CNJ fará levantamento de casos de violência contra jornalistas
04.08.17 10h22 » CNJ passa a investigar três magistrados do MS por soltura de filho de desembargadora
Julho de 2017
18.07.17 09h09 » Nepotismo também vale para parentesco em terceiro grau



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet