Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Se agente público pode agir de forma discricionária, Constituição censura atitudes incoerentes
CNJ / NOVAS DIRETRIZES

Tamanho do texto A- A+
06.08.2015 | 08h31
CNJ aprova política de saúde para magistrados e servidores
Resolução estabelecerá diretrizes para a preservação da saúde física e mental dos profissionais
Agência CNJ de Notícias
Resolução foi aprovada nesta terça (04/08) durante a 212º Sessão Ordinária
DO AGÊNCIA CNJ DE NOTÍCIAS
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou nesta terça-feira (4/8), durante a 212ª Sessão Ordinária, a resolução que cria a Política de Atenção Integral à Saúde de Magistrados e Servidores do Poder Judiciário. O texto estabelece princípios, diretrizes e ações voltados para a preservação da saúde física e mental desses profissionais. Estima-se que cerca de 10 mil trabalhadores do Judiciário se ausentam diariamente do serviço por motivos de saúde.

A resolução foi aprovada com base em proposta elaborada por grupo de trabalho criado pela Portaria 43/2014, composto por magistrados e servidores da área de saúde. “O número de casos em relação a doenças e problemas de saúde com emergência médica tem crescido no Brasil e a resolução tem o mérito de chamar a atenção dos tribunais para que deem a devida atenção para a área de saúde”, disse o presidente do CNJ, ministro Ricardo Lewandowski.

Planos de saúde

Um dos destaques do texto foi a abordagem sobre os planos de saúde. A resolução destaca que os tribunais podem realizar convênios entre si e entre instituições públicas para viabilizar a contratação de plano de saúde comum que ofereça melhores condições aos usuários. “Isso contempla uma preocupação de todos os magistrados brasileiros, para caminharmos pouco a pouco para termos um plano de saúde único", disse o presidente do CNJ.

O conselheiro Rubens Curado, relator da proposta, destacou que o ato normativo descreve os princípios da Política, assim como as diretrizes que devem nortear as suas atividades. Também contempla dispositivos que orientam os tribunais no estabelecimento das ações de saúde, seja por intermédio das unidades internas, responsáveis pela assistência direta em casos emergenciais, seja por meio de planos de saúde e/ou auxílio-saúde (assistência indireta).

A resolução ainda cria a Rede de Atenção à Saúde, composta por um comitê gestor nacional e por comitês locais que ficarão responsáveis pela gestão da Política. A ideia é permitir a coleta de informações padronizadas, a troca de experiências, a uniformização de critérios, os procedimentos e prontuários e o conhecimento da realidade das condições de saúde no Judiciário em todo o país. Os tribunais terão noventa dias, a partir da publicação da resolução, para criarem os comitês locais.

O texto explicita que o CNJ atuará em parceria com os tribunais na implementação das medidas, assim como na obtenção de recursos orçamentários e na capacitação de magistrados e servidores. Também indica que as atividades previstas na resolução não prejudicam a continuidade de outras já em curso nos tribunais.

Ao longo do julgamento, foram incorporadas pelo relator sugestões de aprimoramento do texto apresentadas pelos conselheiros a exemplo da necessidade de prever fontes de custeio dos planos de saúde e a possibilidade das ações em saúde contemplarem os empregados terceirizados.

Resolução

A necessidade de uma Política de Atenção Integral à Saúde de Magistrados e Servidores do Poder Judiciário surgiu de dados encaminhados por tribunais que apontam índice de absenteísmo de cerca de 3% em razão de problemas de saúde. A proposta de resolução foi submetida a consulta pública no segundo semestre de 2014 e recebeu mais de 170 sugestões de tribunais e associações.

A resolução também foi motivada pela diretriz estratégica aprovada no 8º Encontro Nacional do Poder Judiciário, realizado em Florianópolis em novembro de 2014, de zelar pelas condições de saúde de magistrados e servidores visando ao bem-estar e à qualidade de vida no trabalho.
Voltar   

1 Comentário(s).
EXCELENTE OS TERMOS DA MATÉRIA EM COMENTO. APÓS 36 ANOS DE SERVIÇO PÚBLICO, FINALMENTE PODEMOS ALIMENTAR ESPERANÇA CONQUANTO A TERMOS UM PLANO DE SAÚDE, QUE DIGA-SE PARA GÁLDIO DA JUSTIÇA, CONSTITUCIONALMENTE, SAÚDE É DIREITO DO CIDADÃO E DEVER DO ESTADO. PARABÉNS AOS MEMBROS DO GLORIOSO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PELA DECISÃO. TENHO ESPERANÇA QUE ANTES DE JUBILAR, POSSA TER DIREITO AO GOZO DESSE TÃO ALMEJADO PLANO DE SAÚDE.
enviada por: MAURÍLIO - MIR. D\'OESTE    Data: 06/08/2015 15:03:04
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
24.05.17 08h39 » Ministro manda TJ-MT apurar suposta "violação" de Selma
Abril de 2017
28.04.17 08h23 » Faiad pede aposentadoria compulsória de Selma ao CNJ
25.04.17 18h22 » CNJ mantém demissão de juiz de MT acusado de embriaguez
11.04.17 08h48 » Cuiabá descarta 62 mil ações arquivadas desde 2011
10.04.17 11h49 » STJ divulga lista de candidatos a cargos no CNJ e CNMP
05.04.17 18h07 » Testes do PJe das Corregedorias começam em abril
Fevereiro de 2017
15.02.17 18h11 » CNJ investigará juiz de TRE-MT por suposto desvio funcional
Janeiro de 2017
05.01.17 17h10 » CNJ criará grupo para acompanhar melhorias em presídios
Dezembro de 2016
27.12.16 15h48 » Corregedor do CNJ dá 15 dias para Sartori se explicar caso
21.12.16 15h50 » Judiciário reduz em 10 mi estoque de ações antigas em 2016



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet