Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Em qualquer esfera do Poder Público, o cidadão não pode ficar submisso às regras desprovidas de razoabilidade
CNJ / DENÚNCIA DE EMPRESÁRIO

Tamanho do texto A- A+
05.08.2015 | 18h49
CNJ nega recurso contra dois juízes de Mato Grosso
Conselho manteve arquivamento em favor de Leonardo Pitaluga e Paulo Martini
Luiz Silveira/Agência CNJ
Conselho Nacional de Justiça rejeitou pedido de empresário
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) negou, de forma unânime, o recurso interposto pelo empresário Jair Pessine contra os juízes Leonardo de Campos Costa e Silva Pitaluga e Paulo Martini, que atuam na 2ª e 3ª Varas Criminais de Rondonópolis (215 km de Cuiabá), respectivamente.

A decisão foi proferida na tarde da última terça-feira (04), e manteve decisão anterior da ministra Nancy Andrighi, que já havia arquivado a representação.

No recurso, o empresário alegou que os juízes praticaram desvio de conduta e atos ilegais em 2010 ao, em tese, terem agido de forma parcial no julgamento de ações em que Jair Pessine é parte. As supostas ilegalidades teriam ocorrido na época em que os magistrados atuavam na Comarca de Sinop (477 km de Cuiabá).

Em âmbito estadual, a representação foi arquivada pelo então corregedor-geral de Justiça, desembargador Márcio Vidal. O empresário então levou o caso ao CNJ, mas a decisão foi mantida pela corregedora nacional Nancy Andrigui.

Jair Pessine recorreu no próprio CNJ e, em caráter liminar, o conselheiro Francisco Cândido de Melo Falcão Neto (corregedor em substituição) seguiu o mesmo entendimento pelo arquivamento da representação.

Mérito

O mérito do caso foi levado a julgamento na sessão do dia 4 de agosto. Na ocasião, a ministra Gisela Gondim Ramos - relatora do recurso - verificou que a intenção do empresário era usar uma possível punição aos juízes para conseguir reverter as decisões desfavoráveis que recebeu.

A conselheira ainda destacou, em seu voto, que as decisões dos juízes Leonardo Pitaluga e Paulo Martini foram mantidas não só pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), mas pelos tribunais superiores, o que afastaria a tese de ilegalidade.

"A revisão disciplinar não pode ser utilizada como sucedâneo do recurso administrativo cabível contra as decisões proferidas pela Corregedoria Nacional de Justiça. Não se admite revisão disciplinar contra decisão do próprio Conselho Nacional de Justiça", votou, sendo seguida de forma unânime pela Corte.
Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
08.05.18 17h28 » CNJ suspende ação na qual juiz de MT tenta anular aposentadoria
Abril de 2018
25.04.18 17h42 » Advocacia de Mato Grosso apresenta manifestações ao CNJ
19.04.18 11h37 » CNJ: tribunais precisam de autorização para pagar benefícios extras
Março de 2018
20.03.18 10h24 » CNJ recebe duas ações contra desembargadora por notícia falsa
07.03.18 14h01 » CNJ decide pela legalidade de pagamentos adicionais a juízes
Fevereiro de 2018
22.02.18 09h50 » CNJ vai investigar juíza por suposto não comparecimento em audiências
22.02.18 09h44 » Cármen Lúcia: "CNJ não declara inconstitucionalidade de norma nenhuma"
Janeiro de 2018
15.01.18 15h10 » Flagrante pesa mais que violência do crime, aponta CNJ
12.01.18 16h34 » Audiência de custódia: tipo de crime e violência pesam em decisões
10.01.18 15h48 » CNJ pode deixar de aplicar leis que considere inconstitucionais, decide STF



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet