Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
OAB / VENTRÍLOQUO

Tamanho do texto A- A+
23.02.2018 | 13h59
OAB expulsa advogado delator de esquema na Assembleia
Relator do processo considerou que Mielli não tem “idoneidade para continuar exercendo a advocacia”
Reprodução
O advogado Joaquim Fábio Mielli Camargo, que é delator da Operação Ventríloquo
GILSON NASSER
DO FOLHAMAX

O advogado Joaquim Fábio Mielli Camargo, delator da Operação Ventríloquo, foi expulso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT). A decisão ocorreu na tarde desta quinta-feira (22) pelo Conselho Pleno do Tribunal de Ética e Disciplina da instituição.

O relator do processo que gerou afastamento foi o advogado Pedro Verão. Ele considerou que Mielli não tem “idoneidade para continuar exercendo a advocacia”.

O motivo para a expulsão do advogado são os fatos delatados por ele próprio junto ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) referente a “Operação Ventríloquo”.

Mielli admitiu que se apropriou dos valores acordados para que seu cliente, o Banco HSBC, recebesse uma dívida da Assembleia Legislativa.

Segundo sua delação, a Assembleia pagou R$ 9,5 milhões ao advogado referente ao acordo. Todavia, ele “devolveu” cerca de 50% deste valor aos dirigentes da Assembleia Legislativa. Os demais, cerca de R$ 4,5 milhões, o advogado não entregou ao banco. 

O esquema só se tornou público através da delação do advogado. Ela gerou as prisões do ex-deputado José Riva, do ex-secretário-geral da Assembleia, Luiz Márcio Bastos Pommot, e ainda do advogado Júlio César Rodrigues Domingues.

Todavia, com o desenrolar das investigações, agentes do Gaeco descobriram que Mielli ainda mentiu em sua delação. Ele omitiu a participação do deputado estadual Romoaldo Junior (MDB) nas fraudes.

Isso porque, Júlio Domingues firmou acordo de delação e entregou um vídeo de uma reunião entre ele, Mielli, e o assessor de Romoaldo, Fracisvaldo Mendes Pacheco, que também foi preso.

O Gaeco pediu anulação da delação do advogado. A alegação é de que, ao firmar acordo de colaboração, o delator se compromete a relatar toda a verdade dos fatos.

Recurso 

A decisão de expulsão da OAB ainda cabe recurso no Conselho Federal da Ordem. Antes do mérito do julgamento, ele pode ingressar com pedido de efeito suspensivo para continuar exercendo a advocacia.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2018
28.09.18 08h48 » "Desafio é fazer valer os direitos sociais", diz Leonardo Campos
14.09.18 16h17 » Advogados são denunciados por captação ilícita de clientes
Agosto de 2018
29.08.18 11h05 » OAB pede quebra de sigilo de delações de Alan e Permínio
Julho de 2018
30.07.18 18h02 » OAB-MT solicita cópia de depoimentos e fará nova cobrança ao STJ
Junho de 2018
26.06.18 17h47 » Três são detidos sob suspeita de captação ilícita de clientes
20.06.18 17h02 » Dois são presos por promessa de "limpar nome" de clientes
Abril de 2018
26.04.18 16h38 » OAB-MT instaura processos para apurar conduta de inadimplentes
24.04.18 14h39 » OAB-MT alerta sobre golpe contra idosos e aposentados
13.04.18 17h32 » OAB: juíza violou Lei da Magistratura e Código de Ética
08.04.18 14h56 » OAB-MT pede cópia de processo para investigar dois advogados



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet