Artigos
Enquetes

Você acha que a Lava Jato corre o risco de ser inviabilizada pela lentidão da Justiça?

  • Sim
  • Não
Segunda, 10 de abril de 2017, 11h45

Tamanho do texto A- A+
OAB / Diversidade nas bancas
Facebook só contratará escritórios que atenda cotas
Exigência é que 33% profissionais dos escritórios tenham esses perfis
Reprodução
DO CONJUR

O Facebook anunciou neste sábado (8/4) uma nova instrução que obriga as bancas contratadas por sua assessoria jurídica a ter cotas para as chamadas minorias (mulheres, negros, pessoas com deficiência e homossexuais, por exemplo) na equipe de advogados que representa a empresa. A exigência é de 33% profissionais com esses perfis (ou um terço da equipe).

HP, Metlife, Walmart e outras empresas já adotaram o mesmo caminho recentemente. Para todas elas, não basta colocar minorias na equipe, só para cumprir a cota; todos os advogados da equipe devem estar igualmente bem preparados e treinados para defender os interesses da empresa.

Até o início do ano passado, o Facebook não teria “moral” para fazer essa exigência, segundo o New York Times e o Bloomberg Law. Tal como outras gigantes do Vale do Silício, o Facebook era muito criticado pela predominância de homens brancos em sua força de trabalho. Mas a corporação mudou sua política e começou a contratar – e se esforçar para reter – integrantes das minorias.


A empresa gostou do que fez e passou a pressionar seus fornecedores a fazer a mesma coisa. Chegou a vez dos advogados, e a empresa espera ainda mais das bancas. “Queremos ver as bancas ganhando nossos casos, mas também criando oportunidades de liderança mensuráveis para mulheres e pessoas de cor”, disse aos jornais o assessor jurídico geral do Facebook, Colin Stretch.

Essas oportunidades incluem servir como gerentes de relacionamento com o Facebook e representar a empresa nos tribunais, explicou Colin Stretch. Ele avalia que as bancas irão cumprir essas determinações, porque elas sempre fazem o que os clientes pedem.

Novo cenário


De acordo com estatísticas divulgadas no ano passado, negros e latinos ocupavam 3% dos cargos de liderança nas bancas, e as mulheres 27%. Levantamentos mais recentes mostraram que advogados negros passaram a ocupar 9% dos cargos de liderança, os latinos 5% e as mulheres 29%.

A assistente jurídica geral da HP, Kim Rivera, disse aos jornais que a falta de diversidade nas bancas americanas é um problema persistente, mas isso vai mudar. “Hoje, exigimos que, entre os sócios de relacionamento da banca com a empresa, deve ter pelo menos uma advogada e um advogado de raças minoritárias, cada um desempenhando pelo menos 10% das horas trabalhadas para a HP”, declarou.

A Gibson, Dunn & Crutcher, banca que representa hoje o Facebook e a HP, já criou um departamento de diversidade. Assim, para a advogada Zakiyyah Salim-Williams, chefe do setor, a banca não terá problemas em cumprir as determinações das duas empresas.

O assessor jurídico geral da Metlife, Riacardo Anzaldua, declarou aos jornais que, ainda neste mês, vai se reunir com representantes de cerca de 50 bancas que representam a empresa para discutir uma nova iniciativa para promover a contratação, retenção e patrocínio de advogadas e de advogados pertencentes a minorias raciais ou étnicas. As bancas terão um prazo para melhorar, sob pena de perder o contrato.

O assessor jurídico geral do Walmart, Alan Bryan, disse que a empresa criou um departamento que monitora as “operações jurídicas”, as despesas decorrentes delas e a questão da diversidade, no que se refere à constituição das equipes das bancas que prestam serviços jurídicos à corporação.

“A empresa não monitora apenas o número de advogadas ou advogados pertencentes a minorias raciais que integram as equipes. Monitora também quanto tempo uma advogada de cor trabalha na revisão de um documento jurídico, se ela exerce um papel de liderança e se emprega mais ou menos horas em um serviço jurídico complexo”, declarou.

A Morgan Stanley ainda não faz nenhuma exigência, mas criou um prêmio anual para a banca melhor colocada na categoria “diversidade e inclusão”.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2017
25.04.17 08h38 » OAB estuda ação para proibir curso de Serviços Jurídicos
14.04.17 16h18 » Diretora rebate OAB e diz que a própria autarquia pediu o curso
13.04.17 08h39 » OAB e STJ firmam acordo sobre sustentação oral de advogados
11.04.17 08h21 » OAB-SP não apoia votação em lista fechada
10.04.17 11h45 » Facebook só contratará escritórios que atenda cotas
Março de 2017
29.03.17 17h58 » Ex-dirigentes da OAB-MT são processados por juiz
20.03.17 17h35 » Advogadas conquistam espaço e seguem na luta pelos direitos
06.03.17 17h08 » OAB não vai afastar conselheiro flagrado em motel com menores
03.03.17 18h34 » Advogados podem participar de treinamento sobre Projudi no TJMT
Fevereiro de 2017
23.02.17 18h09 » OAB Nacional diz que juíza de MT “criminalizou a advocacia”



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet