Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
OAB / MÊS DA MULHER

Tamanho do texto A- A+
20.03.2017 | 17h35
Advogadas conquistam espaço e seguem na luta pelos direitos
Elas já são quase a maioria nos escritórios, mas têm direitos suprimidos diariamente
Reprodução
Recentemente Sinop sediou a Conferência Estadual da Mulher Advogada com uma boa adesão
DA ASSESSORIA

Elas já são quase a maioria no Direito, nos escritórios e até mesmo nos cursos superiores, mas ainda têm seus direitos suprimidos diariamente.

Com o espaço garantido e consolidado na Subseção de Sinop da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), em especial advogadas atuantes como presidentes de comissões temáticas e na diretoria, é fato que as mulheres advogadas de Sinop e região já conquistaram o seu lugar na entidade, mas nem tudo é comemoração. É o que alerta a presidente da Comissão dos Direito da Mulher Advogada, Cintia Beline.

“Se as mulheres não forem a maioria dos advogados da cidade, estamos bem perto disso. Conseguimos muitos avanços, mas ainda temos muito para lutar”, destaca.

Mais do que a equiparação de lucros e ganho financeiro, que atualmente mantêm a mulher com o rendimento 30% menor do que os homens no mesmo cargo, a luta também é pelo respeito à profissional feminina.

“Nós sempre estamos trabalhando para o empoderamento da mulher, com palestras, cursos, seminários e quaisquer ferramentas que garantam um avanço na categoria e na sociedade”, ponderou Cintia.

Recentemente Sinop sediou a Conferência Estadual da Mulher Advogada com uma boa adesão.

Mas o fato é que a caminhada ainda é grande, não apenas na luta dos direitos, mas também na manutenção deles e, principalmente, no respeito às profissionais.

“Infelizmente, ainda temos que fazer muito o uso do ato de desagravo contra o desrespeito às prerrogativas das mulheres, principalmente no que diz respeito ao direito criminal, e o problema ainda ocorre em outras áreas de atuação”, explicou.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
24.11.17 11h29 » Advogado é preso após causar confusão em agência bancária
16.11.17 17h37 » Cerca de 2 mil advogados de MT podem ser suspensos
09.11.17 08h19 » Workshop na OAB-MT discute como resolver conflitos familiares
06.11.17 10h00 » OAB questiona dispositivo que tipifica delito de desacato a agente público
01.11.17 17h56 » Juiz atuou no próprio processo em que é parte, diz ex-vice da OAB
Outubro de 2017
31.10.17 16h07 » OAB-MT diz que vai acionar policial acusado de agredir advogado
25.10.17 16h18 » Presidente da OAB de Osasco é presa ao receber propina de vereador
Setembro de 2017
29.09.17 18h20 » OAB exclui João Emanuel da advocacia por considerá-lo inidôneo
29.09.17 13h52 » Conciliador e advogado celebram termo de conciliação
01.09.17 14h57 » Primeira fase do Exame de Ordem tem recorde de candidatos reprovados



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet