Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
OAB / PRERROGATIVAS

Tamanho do texto A- A+
09.12.2016 | 15h19
Justiça acata pedido da OAB-MT e tranca ação contra advogado
A 3ª Câmara Criminal do TJ-MT acordou por trancar ação contra advogado
Marcus Mesquita/MidiaNews
Habeas Corpus foi despachado em um trabalho conjunto da OAB-MT
DA ASSESSORIA

No julgamento do habeas corpus impetrado pela Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), a Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) acordou, por unanimidade, pelo trancamento de ação penal proposta em face do advogado Samuel Franco Dalia Neto.   

Na ação proposta pelo  Ministério Público Estadual e recebida pela juíza titular da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane dos Santos Arruda, o advogado foi acusado de “cutucar” seu cliente durante oitiva em inquérito civil público.

Em um trabalho conjunto da OAB-MT, o habeas corpus foi despachado com a participação do presidente Leonardo Campos, do secretário-geral, Ulisses Rabaneda e do Tribunal de Defesa das Prerrogativas (TDP), sustentando o constrangimento ilegal, a inexistência de tipicidade e ausência de justa causa no recebimento da denúncia.

Em seu relatório, o desembargador Juvenal Pereira destaca que, nas interceptações telefônicas realizadas durante a investigação, não há qualquer menção, quando dos diálogos sobre o fato ocorrido, a qualquer “coação” por parte do advogado.

Assim, acatando os argumentos apresentados pela OAB-MT, a Terceira Câmara Criminal entendeu que a conduta atribuída ao advogado não constitui qualquer tipo penal e, tampouco, a existência de justa causa para o prosseguimento da ação.

A defesa das prerrogativas dos advogados - garantia que assegura ao cidadão que contrata um profissional da advocacia o pleno exercício de sua ampla defesa – tem sido uma luta constante da OAB-MT.

Somente nos últimos dez dias, a Ordem conquistou a suspensão de outras duas ações propostas contra advogados durante o exercício de sua função.

“Este é nosso compromisso com a advocacia. Não deixaremos um advogado desamparado. Onde houver ofensa às prerrogativas, lá estaremos”, reforçou Leonardo Campos.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
24.11.17 11h29 » Advogado é preso após causar confusão em agência bancária
16.11.17 17h37 » Cerca de 2 mil advogados de MT podem ser suspensos
09.11.17 08h19 » Workshop na OAB-MT discute como resolver conflitos familiares
06.11.17 10h00 » OAB questiona dispositivo que tipifica delito de desacato a agente público
01.11.17 17h56 » Juiz atuou no próprio processo em que é parte, diz ex-vice da OAB
Outubro de 2017
31.10.17 16h07 » OAB-MT diz que vai acionar policial acusado de agredir advogado
25.10.17 16h18 » Presidente da OAB de Osasco é presa ao receber propina de vereador
Setembro de 2017
29.09.17 18h20 » OAB exclui João Emanuel da advocacia por considerá-lo inidôneo
29.09.17 13h52 » Conciliador e advogado celebram termo de conciliação
01.09.17 14h57 » Primeira fase do Exame de Ordem tem recorde de candidatos reprovados



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet