Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
OAB / SUPOSTO DESRESPEITO

Tamanho do texto A- A+
12.03.2015 | 08h53
OAB marca data de desagravo contra juiz de Mirassol
Fernando da Fonseca Melo foi acusado de desrespeitar advogada e tratar classe como “marginais”
Bruno Cidade/MidiaNews
Ordem fará ato contra juiz Fernando Fonsêca no dia 31 de março
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO
A Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT) marcou para o dia 31 de março o desagravo público contra o juiz Fernando da Fonsêca Melo, da 2ª Vara de Mirassol D’Oeste (283 km de Cuiabá).

O magistrado é acusado pela seccional de ter desrespeitado a advogada Valeria Aparecida Solda de Lima e tratado toda a classe de advogados como “marginais”.

O ato contra o juiz ocorrerá a partir das 14h, em frente ao Fórum da cidade. O desagravo público foi aprovado pelo Conselho Seccional da OAB-MT, no final de fevereiro.

Conforme o advogado Fabio Capilé, relator do pedido de desagravo público, o juiz Fernando Fonseca teria determinado a intimação de uma das partes de um processo por “suspeitar”, sem qualquer

"A colocação dele foi generalizada, ele falou que todo e qualquer advogado que estiver estacionando, ‘causaria risco à minha vida e aos servidores do meu gabinete’. Não foi contra a pessoa de um advogado, foi contra a instituição, nivelou todo mundo por baixo"

motivo aparente, que a advogada Valeria Aparecida não repassaria os valores ao cliente.

Outra situação que culminou na aprovação do desagravo foi o fato de o magistrado ter requerido à juíza diretora do Fórum de Mirassol D’oeste, Edna Ederli Coutinho, que suspendesse ou cancelasse as vagas no estacionamento reservadas aos advogados, que ficavam próximas à vara onde ele atuava.

A juíza diretora não atendeu ao pedido, discordou dos argumentos e ainda reafirmou “que o pedido de exclusão se refere a advogados, profissionais que exercem papel indispensável para administração da justiça, pessoas idôneas que desempenham funções continuamente nas dependências do Fórum, portanto, não se tratam de pessoas estranhas ao nosso convívio profissional”.

Para Fábio Capilé, o requerimento do juiz não ofendeu apenas os advogados que frequentam o local, mas toda a classe de advogados.

“A colocação dele foi generalizada, ele falou que todo e qualquer advogado que estiver estacionando, ‘causaria risco à minha vida e aos servidores do meu gabinete’. Não foi contra a pessoa de um advogado, foi contra a instituição, nivelou todo mundo por baixo”, criticou Fábio Capilé.

Em 2014, o juiz Fernando da Fonseca já havia sido alvo de um desagravo da OAB-MT, juntamente com o promotor de Justiça José Jonas Sguarezi, sob acusação semelhante.

No caso, ele e o promotor teriam suspeitado que o advogado Jair Roberto Marques não repassaria os valores de um processo ao cliente. Com isso, o magistrado alterou o alvará judicial para impedir que o advogado sacasse a quantia.

"Não é de hoje que a magistratura tem sido alvo de repetidas investidas, afinal de contas “ninguém joga pedra em árvore que não produz frutos""

Defesa


Em nota enviada em ocasião anterior ao MidiaJur, o juiz Fernando da Fonsêca Melo afirmou que em momento algum apontou a classe de advogados como marginais.

Ele relatou que já atuou como advogado e têm ciência do “grande papel que a Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso tem na construção deste Estado”.

Quanto à decisão envolvendo a advogada, Fernando Fonseca explicou que eventuais discordâncias quanto aos seus atos nos processos devem ser combatidos com os recursos cabíveis.

O juiz também afirmou que é atacado por ser “fiel à suas convicções jurídicas e à verdadeira função de julgar”, sendo que já está acostumado com acusações “levianas”.

“Não é de hoje que a magistratura tem sido alvo de repetidas investidas, afinal de contas “ninguém joga pedra em árvore que não produz frutos””, destacou.

Leia mais sobre o assunto:

Juiz nega ter tratado advogados como “marginais”

OAB-MT acusa juiz de tratar advogados como “marginais”


Juiz e promotor são alvos de desagravo no interior

Juiz e promotor serão representados no CNJ e CNMP


Advogado denuncia juiz e promotor de Justiça à OAB-MT
Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
26.04.18 16h38 » OAB-MT instaura processos para apurar conduta de inadimplentes
24.04.18 14h39 » OAB-MT alerta sobre golpe contra idosos e aposentados
13.04.18 17h32 » OAB: juíza violou Lei da Magistratura e Código de Ética
08.04.18 14h56 » OAB-MT pede cópia de processo para investigar dois advogados
Março de 2018
27.03.18 16h25 » OAB-MT leva ameaças sofridas pela advocacia ao secretário de Segurança
Fevereiro de 2018
23.02.18 13h59 » OAB expulsa advogado delator de esquema na Assembleia
10.02.18 08h53 » Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-MT inicia notificações
Janeiro de 2018
25.01.18 16h03 » OAB pede gravação para provar suposta ameaça feita por ex-juiz
17.01.18 16h07 » 800 advogados de MT podem ter registro suspenso pela OAB
17.01.18 15h57 » OAB de MT requer ação contra lei que reduz valor da RPV



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet