Artigos
  • Ao constatar que seu cartão foi clonado, o consumidor deve imediatamente comunicar o fato a operadora do cartão realizando a contestação das compras que não realizou
  • LEONARDO CAMPOS
    Indispensável na solução de conflitos e no amadurecimento da sociedade
MPF / REJEIÇÃO DE HC

Tamanho do texto A- A+
22.03.2018 | 15h20
Raquel Dodge defende prisão de Lula na 2ª instância
Procuradora-geral da República pediu a rejeição de habeas corpus preventivo do ex-presidente
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Raquel Dodge: procuradora-geral da República
RENAN RAMALHO, ROSANNE D'AGOSTINO E GUILHERME MAZU
DO G1

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu nesta quinta-feira (22) no Supremo Tribunal Federal (STF) a rejeição de um pedido para evitar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O STF iniciou nesta quinta julgamento de um habeas corpus preventivo apresentado pela defesa de Lula com o objetivo de evitar que o ex-presidente seja preso. Em janeiro, o ex-presidente foi condenado a 12 anos e 1 mês em regime inicialmente fechado pelo Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4) , responsável por analisar os processos da Lava Jato em segunda instância.

Em sua fala, Raquel Dodge disse que a decisão da Corte que em 2016 permitiu a execução da pena após condenação em segunda instância é importante para combater a impunidade.

“Essa decisão tem sido considerada por muitos estudiosos como marco importante para fazer cessar a impunidade no país”, afirmou.

Essa decisão tem sido considerada por muitos estudiosos como marco importante para fazer cessar a impunidade no país

Ao recomendar a rejeição do pedido de Lula, Dodge também disse que o habeas corpus é incabível por atacar decisões liminares (provisórias) do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do próprio STF, que já haviam negado o pedido.

Para a procuradora-geral, a decisão em favor da execução provisória da pena “tem dado segurança jurídica e contribuído para dar efetividade a persecução penal com todas as garantidas de ampla defesa e de contraditório”.

Em janeiro, ao julgar Lula, os desembargadores do TRF-4 decidiram que a pena deverá ser cumprida quando não couber mais recurso ao próprio tribunal. O único recurso possível já foi apresentado e será julgado na próxima segunda (26).

A defesa do ex-presidente, porém, recorreu ao STF pedindo que Lula só seja preso quando o processo transitar em julgado, ou seja, quando não couber recurso a mais nenhuma instância da Justiça.

Os advogados de Lula argumentam que, segundo a Constituição, "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória".

Em 2016, a maioria dos ministros do STF entendeu que a pena pode começar a ser cumprida após condenação na segunda instância da Justiça. Ações na Corte, contudo, visam mudar esse entendimento.

Lula foi condenado no caso do triplex em Guarujá (SP). No entendimento do TRF-4, a OAS deu um apartamento ao ex-presidente em retribuição a contratos firmados pela construtora com a Petrobras. Lula se diz inocente, e a defesa alega que não há provas contra ele.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2018
16.08.18 17h41 » Raquel Dodge contesta no TSE candidatura de Lula a presidente
15.08.18 18h33 » MPF instaura inquérito para apurar atraso de repasse da saúde
11.08.18 11h36 » MPF denuncia os ex-ministros Guido Mantega e Antonio Palocci
11.08.18 11h28 » MPF emite recomendação à AL quanto à concessão de títulos
10.08.18 15h49 » Ministério Público aprova aumento de 16,38% para procuradores
10.08.18 11h52 » Dodge pede prisão de Kobori: “Age para embaraçar investigação”
07.08.18 14h32 » MPF vê "promoção política" e dá parecer por multa a governador
04.08.18 10h39 » MT cria lei permitindo desmatar área igual a 3 cidades de SP
Julho de 2018
31.07.18 17h00 » PGR recorre de decisão que concedeu liberdade a José Dirceu
31.07.18 16h57 » PGR pede arquivamento de inquérito que investiga Eliseu Padilha



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet