Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
MPF / R$ 99 MILHÕES

Tamanho do texto A- A+
30.12.2017 | 09h28
Dodge vai ao STF contra gasto da Presidência com comunicação
Ao ingressar com a ação, a procuradora pediu urgência na suspensão da norma
José Cruz/Agência Brasil
Raquel Dodge: procuradora-geral da República
ROSANNE D´AGOSTINO
DA TV GLOBO

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a previsão de orçamento de R$ 99 milhões destinada à comunicação institucional da Presidência da República. Segundo Dodge, é inconstitucional o uso da verba pelo governo para realizar propagandas a favor da reforma da Previdência.

A dotação orçamentária está prevista na Lei 13.528/2017, aprovada pelo Congresso, que abriu crédito suplementar de R$ 6,9 bilhões para reforçar o Orçamento da União. Pela lei, há a previsão de destinar R$ 99 milhões para a comunicação institucional do governo.

Ao ingressar com a ação, a procuradora pediu urgência na suspensão da norma.

"[São] Irreparáveis ou de difícil reparação tanto o dano gerado aos cidadãos brasileiros submetidos a campanha do Governo Federal com fim de mero convencimento sobre a necessidade de nova reforma na Previdência quanto às verbas públicas despendidas com essa forma de propaganda governamental inconstitucional", afirmou Dodge na ação.

Recursos públicos, num ambiente republicano, não podem se orientar pelo fim de manipular a opinião pública

Raquel Dodge citou a propaganda do governo sobre a reforma da Previdência, e pediu que o Supremo declare inconstitucional o uso da verba para custear a campanha sobre a proposta.

Segundo ela, a propaganda do governo tem "feição de campanha estratégica de convencimento público, em que não se dê abertura à expressão, no mesmo canal publicitário, da pluralidade de opiniões e aos dados diferentes dos que o governo apresenta na campanha pública de persuasão”.

“A comunicação pública deve ter um caráter estratégico não apenas para os governos, mas, e sobretudo, para a cidadania”, defende Dodge.

Segundo a procuradora-geral, a Constituição veda a promoção pessoal de autoridades públicas.

“Se a ideia do governo é propiciar, com financiamento público, debate sobre uma proposta de mudança da Constituição, a licitude desse empenho se prende a que também sejam divulgados dados colhidos pelos adversários da proposta, garantindo-lhes igual espaço de exposição de ideias”, diz a procuradora-geral da República.

Para ela, não é "cabível" que o Estado banque com recursos públicos destinados à comunicação institucional uma tese "específica e unilateral" sobre um assunto e oriente que as informações sejam divulgadas "segundo a conveniência ditada pelo desejo de convencer, em detrimento das condições necessárias para a formação autônoma de convencimento".

"Recursos públicos, num ambiente republicano, não podem se orientar pelo fim de manipular a opinião pública”, completa.

Ela pede que seja concedida liminar alegando serem irreparáveis, ou de difícil reparação, tanto o dano gerado aos cidadãos brasileiros.

O relator da ação é o ministro Marco Aurélio Mello, mas a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, que decide questões urgentes durante o recesso do Judiciário, já pediu informações em um prazo de dez dias aos presidentes da República e do Congresso.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
13.10.18 12h06 » A pedido da PGR, Fachin arquiva investigação contra Blairo Maggi
11.10.18 16h46 » PGR pede abertura de nova investigação sobre Eliseu Padilha
08.10.18 16h46 » MPF denuncia ex-diretor de órgão em MT por contratar empresa com sede em sua casa
05.10.18 14h56 » PGR pede que inquérito seja enviado para Justiça Federal de MT
04.10.18 17h34 » Dodge pede que PF dê prioridade a inquérito contra conselheiros
04.10.18 08h10 » Órgãos federais devem implementar Plano de Prevenção a Incêndio
03.10.18 16h31 » MPF pede quebra de sigilo e inelegibilidade de Selma por 8 anos
02.10.18 17h49 » Dodge não vê provas e pede para arquivar inquérito contra Maggi
02.10.18 15h32 » Ao MPF, publicitário nega "ação política" e chantagem a Selma
Setembro de 2018
28.09.18 16h23 » Dodge pede para não soltar outros presos com base em decisão de Beto Richa



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet