Artigos
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Vale ressaltar que a prisão não extingue o débito alimentar, não isentando o devedor de pagar os valores vencidos e vincendos
MPF / CASO J&F

Tamanho do texto A- A+
03.11.2017 | 14h39
Raquel Dodge tenta investigar suspeita de compra de decisões judiciais
Procuradora-geral já havia feito o pedido, mas ministro Lewandowski determinou o arquivamento
MPF/Divulgação
Raquel Dodge: procuradora-geral da República
CAMILA BOMFIM
DA TV GLOBO

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, para reconsiderar a decisão que levou ao arquivamento de uma apuração prévia sobre suspeitas de que a JBS tentou comprar decisões favoráveis em tribunais, entre eles, o Superior Tribunal de Jusstiça (STJ).

No mês passado, a revista "Veja" revelou mensagens trocadas entre o diretor jurídico da J&F, Francisco de Assis, e uma advogada que trabalha para a empresa, Renata Gerusa Prado Araújo, que sugerem estratégias para conseguir decisões favoráveis.

Por causa da suspeita de compra de decisões judiciais, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao ministro uma apuração prévia sobre o caso: fazer uma perícia no material – nas mensagens e áudios trocados em um aplicativo. Caso o material estivesse em condições de ser aproveitado, haveria elementos suficientes para pedir abertura de inquérito. O ministro negou o pedido, alegando que a procuradora não apresentou indícios de autoria e materialidade que justificassem a abertura da investigação.

Na última sexta (27), a procuradora-geral questionou a decisão de Lewandowski. Mandou um pedido de reconsideração alegando que esses indícios, pedidos por ele, só podem ser apontados se a investigação for aberta. E que, por haver citação de magistrados no caso que se pretende investigar, cabe à PGR somente o pedido. A investigação em si, segundo a Lei da Magustratura, tem que ser feita – caso seja autorizada – pelo judiciário. Se a apuração for autorizada, caberia ao STJ apurar possíveis irregularidades na conduta de ministros do tribunal.

As mensagens trocadas entre Francisco de Assis e a advogada da JBS não incluem diálogos entre ministros do STJ e não há indícios definitivos de que as promessas de compra de decisão foram efetivamente feitas ou pagas . O Ministério Público Federal quer avançar na apuração para saber se as mensagens podem levar a algum fato novo ou se não podem comprovar as suspeitas. A palavra final caberá ao ministro Ricardo Lewandowski. Na delação, os executivos da J&F não mencionaram as mensagens e nem a suposta tentativa de compra de decisões .

Versões das defesas

O diretor jurídico da J&F, Francisco de Assis, afirmou que as mensagens são resultado de montagem e que nunca tentou comprar decisões.

A defesa de Renata Gerusa Araujo afirmou que as mensagens foram manipuladas e entregues ao Ministério Público pelo ex-marido dela . Ainda segundo o advogado de Renata, o ex-marido está sendo investigado por tentativa de extorsão.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2018
17.08.18 16h41 » MPF aciona prefeito de Cáceres e pede bloqueio de R$ 630 mil
17.08.18 16h20 » Procurador será investigado por críticas a ministros do STF
16.08.18 17h41 » Raquel Dodge contesta no TSE candidatura de Lula a presidente
15.08.18 18h33 » MPF instaura inquérito para apurar atraso de repasse da saúde
11.08.18 11h36 » MPF denuncia os ex-ministros Guido Mantega e Antonio Palocci
11.08.18 11h28 » MPF emite recomendação à AL quanto à concessão de títulos
10.08.18 15h49 » Ministério Público aprova aumento de 16,38% para procuradores
10.08.18 11h52 » Dodge pede prisão de Kobori: “Age para embaraçar investigação”
07.08.18 14h32 » MPF vê "promoção política" e dá parecer por multa a governador
04.08.18 10h39 » MT cria lei permitindo desmatar área igual a 3 cidades de SP



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet