Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPF / APÓS CRÍTICAS

Tamanho do texto A- A+
12.09.2017 | 18h23
Janot diz a 'detratores' que não vai retroceder nem desistir do combate à corrupção
Críticas ao procurador-geral da República se intensificaram depois da revisão de acordos de delação premiada de executivos da J&F
Divulgação
O procurador-geral da República Rodrigo Janot
RENAN RAMALHO
DO G1

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta terça-feira (12), em resposta a “detratores”, que não vai retroceder nem desistir do combate à corrupção.

Em discurso durante lançamento de campanha contra a corrupção da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), ele destacou o avanço nos últimos anos do combate aos desvios.

“As instituições estão funcionando. As reações tem sido proporcionais. Como não há escusas para os fatos descobertos, escancaradamente comprovados, a estratégia de defesa não pode ser outra senão tentar desacreditar a figura das pessoas encarregadas do combate a corrupção. Temos que lembrar e fazer saber aos nossos detratores, que não conjugamos dois verbos: retroceder e desistir no combate à corrupção”, disse.

Desde a semana passada, as críticas a Janot se intensificaram com a abertura de uma investigação sobre supostas omissões na delação de executivos da J&F. A apuração foi iniciativa do próprio procurador-geral, após análise de uma conversa gravada entre um dos sócios da empresa, Joesley Batista e um de seus executivos, Ricardo Saud.

A principal suspeita é de que eles tiveram ajuda, em março, do então procurador Marcello Miller, ex-auxiliar de Janot, na seleção dos fatos e agentes públicos a serem delatados.

No evento da Enccla, realizada na sede do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Janot não comentou sobre o caso no discurso e deixou o local sem falar com a imprensa.

Em sua fala, ele ressaltou a importância do trabalho conjunto entre diferentes órgãos para o combate à corrupção. Disse que o tema se tornou prioridade na atuação do Ministério Público, sob sua gestão, citando pesquisa que aponta esse trabalho como o mais importante a ser realizado pelo órgão.

“Em recente pesquisa para avaliar o que pensam os brasileiros, o trabalho de enfrentamento a corrupção foi apontado com larga folga, por 36% dos entrevistados, como nossa missão mais importante”, destacou.

“A população reconhece que o êxito das principais políticas depende da boa gestão e aplicação dos recursos. A corrupção é fato decisivo para deficiente prestação dos serviços e que não há outra receita para a qualidade que não passe pela luta incessante contra esse flagelo. Não há outro caminho a seguir”, completou Janot em seguida.

A Enccla reúne mais de 70 órgãos públicos e entidades civis na criação de projetos e execução de políticas conjuntas de combate à corrupção. Nesta terça (12), foi lançada a campanha “Todos juntos contra a corrupção”, que busca disseminar nas escolas, empresas e associações valores e condutas que previnam desvios.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
17.11.17 16h26 » Raquel Dodge defende prisão após condenação em segunda instância
16.11.17 16h30 » Raquel Dodge denuncia ministro do TSE por lesão corporal
16.11.17 16h17 » MPF pede bloqueio de R$ 24 milhões de Lula e do filho
08.11.17 15h50 » Raquel Dodge rejeita sugestões do ministro do trabalho
03.11.17 14h39 » Raquel Dodge tenta investigar suspeita de compra de decisões judiciais
01.11.17 17h42 » MPF apura possíveis ilegalidades em investigação, diz ministro
Outubro de 2017
28.10.17 10h22 » Dodge defende investigações sobre Temer no caso dos portos
18.10.17 16h49 » Carlos Nuzman e Sérgio Cabral são denunciados pelo MPF
05.10.17 17h31 » Nadaf: Silval exigiu que delegado fosse retirado de investigação
04.10.17 09h44 » Nadaf diz que esquema com Marfrig beneficiou Maggi e Silval



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet