Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    A data tão esperada de 20 de dezembro se aproxima, momento em que para os que trabalham com o Direito quase tudo para
  • LEONARDO CAMPOS
    Fim do Exame de Ordem vai à contramão do desejo da sociedade
MPF / OBSTRUÇÃO DE JUSTIÇA

Tamanho do texto A- A+
01.09.2017 | 17h58
MPF pede absolvição de Lula e diz que Delcídio mentiu em delação
Ação penal foi aberta para apurar se eles tentaram comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró
Reprodução
o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
RENAN RAMALHO
DO G1

O Ministério Público Federal (MPF) pediu nesta sexta-feira (1º) a absolvição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do banqueiro André Esteves numa ação na qual eles foram acusados de tentar comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

O órgão entregou à Justiça Federal em Brasília as alegações finais na ação penal, na qual apresenta as conclusões com base nas provas e depoimentos realizados. O MPF diz não ter encontrado evidências de que Lula e André Esteves cometeram o crime de obstrução de Justiça.

Em nota (leia a íntegra ao final desta reportagem), a defesa de Lula avaliou a decisão como "justa", por refletir a "prova da inocência" do ex-presidente. "Lula jamais praticou qualquer ato com o objetivo de impedir ou modular a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró", acrescentou.

À GloboNews, o advogado de André Esteves, Antonio Carlos de Almeida Castro, divulgou a seguinte nota: "O Ministério Público, em um parecer técnico e bem fundamentado, pede a absolvição do André Esteves no processo onde ele foi acusado de obstrução de justiça, aquele em que ele foi preso. A Justiça esta sendo feita."

O processo para investigar Lula e André Esteves foi aberto com base na delação do senador cassado Delcídio do Amaral.

Em 2015, Delcídio foi preso pela Polícia Federal – à época, ele era filiado ao PT e exercia a função de líder do governo Dilma Rousseff no Senado. Ele foi acusado pela Procuradoria Geral da República de oferecer R$ 50 mil mensais a Cerveró para que o ex-diretor da Petrobras não fechasse acordo de delação.

Segundo o MPF:

O MPF também pede para a Justiça inocentar André Esteves por verificar em depoimentos que, após Delcídio lhe pedir para pagar Cerveró, o banqueiro não aceitou contribuir.

Delação de Delcídio

Diante das conclusões às quais chegou na ação penal, o Ministério Público pediu à Justiça que Delcídio perca os benefícios da delação premiada e seja condenado. A avaliação do MPF é que o silêncio de Cerveró interessava somente ao ex-senador.

O MPF alega, também, que os benefícios devem ser retirados por Delcídio ter "mentido sobre fatos que levaram à abertura de ação penal contra sete pessoas".

Além da condenação de Delcídio, o MPF quer punição para o ex-advogado dele Edson Ribeiro; para o empresário José Carlos Bumlai; e para o filho dele Maurício Bumlai.

O órgão também quer condenar Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete de Delcídio, mas sem punição, já que colaborou com provas.

Propina de R$ 4 milhões

Responsável pelo caso, o procurador Ivan Marx explicou que Delcídio queria impedir Nestor Cerveró de contar na delação premiada uma propina de R$ 4 milhões que teria recebido da construtora UTC para abastecer a campanha dele a governador do Mato Grosso do Sul, em 2006.

Para isso, junto com Edson Ribeiro, Delcídio fez que com Cerveró dissesse falsamente a investigadores que a propina seria destinada para a campanha presidencial de Lula.

 
Repasse de R$ 250 mil

O MPF também entende que Delcídio do Amaral mentiu ao dizer que repassou R$ 250 mil a Cerveró a pedido de Lula.

Com a entrega das alegações finais pelo MPF, o processo entra na fase final. Faltam, agora, as manifestações de cada um dos acusados para o julgamento, a cargo do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília.

Versões

Saiba abaixo o que os citados afirmaram:

A assessoria de Delcídio do Amaral enviou a seguinte nota: "Delcídio está tranquilo em relação a isso porque sabe que fez vários depoimentos que corroboram com informações que ele sempre deu e tem certeza absoluta que a colaboração dele sempre foi e sempre será efetiva. Tanto é que tem sido corroborada por outros colaboradores."

O advogado de Diogo Ferreira, Délio Lins e Silva, declarou: "Diogo sempre colaborou com as investigações e a contribuição dele foi efetiva, como o próprio MP reconheceu nas alegações finais. Ele vai tentar o perdão judicial."

Alessi Brandão, advogada de Nestor Cerveró, declarou: "As alegações finais do MP federal corroboram com o que foi dito e com as provas entregues por Nestor Cerveró em seu acordo de colaboração premiada."

A advogada Daniela Megiolaro, que defende José Carlos Bumlai, divulgou a seguinte nota: "A defesa recebeu com surpresa e estranhamento a notícia do pedido de condenação de José Carlos Bumlai, pois as provas produzidas durante o processo demonstraram sua absoluta inocência. Além disso, o próprio Ministério Público reconhece que o ex-senador Delcídio do Amaral é um mentiroso contumaz, tanto assim que opinou pela não aplicação dos benefícios da delação premiada a ele."

O advogado Damián Vilutis, que defende Maurício Bumlai, afirmou: "A defesa ainda vai apresentar as alegações finais e demonstrará a inocência de Maurício Bumlai em relação aos fatos objetos do processo."

 

O G1 buscava contato com os demais citados até a última atualização desta reportagem.

Íntegra

Leia abaixo a íntegra da nota da defesa do ex-presidente Lula:

O pedido de absolvição formulado hoje, 01/09, pelo Ministério Público Federal do Distrito Federal nos autos da Ação Penal nº 0042543-76.2016.401.3400 é justo e reflete a prova da inocência do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi coletada especialmente nos depoimentos de 31 testemunhas. Lula jamais praticou qualquer ato com o objetivo de impedir ou modular a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, ao contrário do que constou da denúncia.

A iniciativa do membro do Ministério Público Federal também confirma o que sempre afirmou a defesa do ex-presidente Lula: a delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral na parte que incrimina Lula é uma farsa. O próprio Ministério Público Federal, na peça que pede a absolvição de Lula, faz referência à “grotesca versão de DELCÍDIO”, e afirma que, na verdade, “DELCÍDIO estava preocupado apenas com ele mesmo”.

Ao pedir a absolvição de Lula, o procurador da República responsável pela ação penal mostra que os membros do MPF devem atuar em busca da verdade dos fatos e não com fins de perseguição política, como lamentavelmente ocorre no âmbito da Força Tarefa da Lava Jato de Curitiba em relação ao ex-presidente Lula.

Diante do pedido de absolvição do titular da ação penal, o único desfecho possível da ação será o reconhecimento da inocência de Lula.

Marco Nascimento

Teixeira Martins & Advogados

Colaborou Isabella Formiga, da GloboNews, em Brasília


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2018
13.12.18 15h20 » MPF cita irregularidades e emite parecer por reprovação de contas
12.12.18 17h10 » PGR vê “insistência sem razão” e pede que Joaquim siga afastado
11.12.18 18h15 » Dodge aponta suspeita de propina de R$ 128 mi da J&F a Aécio
11.12.18 09h28 » MPF pede aprovação das contas de Emanuelzinho com ressalvas
10.12.18 11h12 » MPF quer reprovação de contas de deputado federal mais votado
05.12.18 17h28 » MPF quer reprovação de contas de eleito por excesso de gastos
04.12.18 16h10 » MPF recomenda que Emanuel afaste Huark da Secretaria de Saúde
04.12.18 11h51 » MPF vê irregularidades e pede reprovação das contas de Maluf
04.12.18 11h12 » Dodge liga Temer e Odebrecht a esquema de corrupção
03.12.18 15h16 » MPF pede que Palocci pague US$ 20 milhões para permanecer em prisão domiciliar



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet