Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    A estrutura constitucional impõe que os aludidos Poderes são independentes e harmônicos entre si
  • VILSON NERY
    Os habitantes de Patópolis tiraram Dilma, porém se conformam com Temer
  • JOAQUIM SPADONI
    Os salários que são pagos com nosso dinheiro devem ter critérios claros, pautados e limitados em Lei
MPF / FREIO NAS INVESTIGAÇÕES

Tamanho do texto A- A+
07.07.2017 | 11h51
MPF critica fim de grupo de trabalho da "lava jato" na Polícia Federal
Membros do Ministério Público Federal entendem que a medida prejudica a eficiência das investigações
Reprodução/PF
Os autores pedem que o fim do grupo seja revisto
DO CONSULTOR JURÍDICO

Os procuradores da República que atuam na chamada força-tarefa da operação “lava jato” em Curitiba criticaram o fim do grupo de trabalho da Polícia Federal para investigar o tema. Embora a PF relacione a mudança a “integração” com outras equipes, os membros do Ministério Público Federal entendem que a medida prejudica a eficiência das investigações.

“A redução e dissolução do grupo de trabalho da Polícia Federal não contribui para priorizar ainda mais as investigações ou facilitar o intercâmbio de informações”, afirmam os procuradores, em nota.

“Pelo contrário, a distribuição das investigações para um número maior de delegados e a ausência de exclusividade (...) prejudicam a especialização do conhecimento e da atividade, o desenvolvimento de uma visão do todo”, dizem no texto.

Os autores pedem que o fim do grupo seja revisto e aproveitam para criticar o governo federal por reduzir “drasticamente” o efetivo da PF na “lava jato”. Hoje, quatro delegados estão dedicados exclusivamente ao caso envolvendo corrupção na Petrobras.

Leia a nota:

Os procuradores da república da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba vêm manifestar sua discordância em relação à dissolução do Grupo da Lava Jato no âmbito Polícia Federal.

1. A operação Lava Jato investiga corrupção bilionária praticada por centenas de pessoas, incluindo ocupantes atuais e pretéritos de altos postos do Governo Federal. Foram realizadas 844 buscas e apreensões em 41 fases que ensejaram a apreensão de um imenso volume de materiais – apenas na primeira fase, foram mais de 80 mil documentos. São rastreadas hoje mais de 21 milhões de transações que envolvem mais de R$ 1,3 trilhão. Já foram acusadas por crimes graves como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa mais de 280 pessoas, e centenas de outras permanecem sob investigação. Embora já tenham sido recuperados, de modo inédito, mais de R$ 10 bilhões, há um potencial de recuperação de muitos outros bilhões, se os esforços de investigação prosseguirem.

2. A anunciada integração, na Polícia Federal, do Grupo de Trabalho da Lava Jato à Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas, após a redução do número de delegados a menos de metade, prejudica as investigações da Lava Jato e dificulta que prossigam com a eficiência com que se desenvolveram até recentemente.

3. O efetivo da Polícia Federal na Lava Jato, reduzido drasticamente no governo atual, não é adequado à demanda. Hoje, o número de inquéritos e investigações é restringido pela quantidade de investigadores disponível. Há uma grande lista de materiais pendentes de análise e os delegados de polícia do caso não têm tido condições de desenvolver novas linhas de investigação por serem absorvidos por demandas ordinárias do trabalho acumulado.

4. A redução e dissolução do Grupo de Trabalho da Polícia Federal não contribui para priorizar ainda mais as investigações ou facilitar o intercâmbio de informações. Pelo contrário, a distribuição das investigações para um número maior de delegados e a ausência de exclusividade na Lava Jato prejudicam a especialização do conhecimento e da atividade, o desenvolvimento de uma visão do todo, a descoberta de interconexões entre as centenas de investigados e os resultados.

5. A necessidade evidente de serviço, decorrente inclusive do acordo feito com a Odebrecht, determinou que a equipe do Ministério Público Federal na Lava Jato em Curitiba tenha aumentado, o que ocorreu em paralelo ao aumento das equipes da Lava Jato no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, no mesmo período em que a Polícia Federal reduziu a equipe e dissolveu o Grupo de Trabalho da Lava Jato em Curitiba.

6. A Polícia Federal, assim como a Receita Federal, são parceiras indispensáveis nos trabalhos da Lava Jato. Reconhece-se ainda a dedicação do superintendente da Polícia Federal no Paraná, Rosalvo Franco, e do Delegado de Polícia Federal Igor de Paula, às investigações. Contudo, a medida tornada pública hoje é um evidente retrocesso.

Por isso, o Ministério Público Federal espera que a decisão possa ser revista, com a consequente reversão da diminuição de quadros e da dissolução do Grupo de Trabalho da Polícia Federal na Lava Jato, a fim de que possam prosseguir regularmente e com eficiência as investigações contra centenas de pessoas e de que os bilhões desviados possam continuar a ser recuperados".


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2017
19.08.17 10h57 » Palavra da acusação "merece fé", diz Moro ao negar acesso
18.08.17 09h37 » MPF do Rio pediu suspeição de Gilmar no caso de Jacob Barata Filho
10.08.17 19h05 » MPF: ex-Secopa agiu de modo ilícito para favorecer consórcio VLT
10.08.17 08h47 » Silval diz que fez acordo de propina na compra de vagões do VLT
09.08.17 17h22 » Silval mandou dar R$ 1 mi para lobista não "importunar", diz MPF
09.08.17 16h56 » MPF diz que Riva usou esposa como “testa de ferro" em empresa
09.08.17 16h51 » Silval diz que grupo recebeu R$ 18 milhões em propina no VLT
09.08.17 11h20 » MPF investiga supostas falhas estruturais em casas de residencial
Julho de 2017
10.07.17 16h10 » Nadaf confirma ao MPF esquemas de corrupção no Estado; veja
07.07.17 11h51 » MPF critica fim de grupo de trabalho da "lava jato" na Polícia Federal



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet