Artigos
  • JOAQUIM SPADONI
    Os salários que são pagos com nosso dinheiro devem ter critérios claros, pautados e limitados em Lei
  • RENATO NERY
    Apesar dos grande avanços, está-se liquidando o que ainda resta da nobre e festejada profissão
MPF / ILHA DA BANANA

Tamanho do texto A- A+
06.04.2017 | 17h45
MPF recomenda imediata suspensão da demolição
Objetivo do governo era demolir 199 imóveis localizados ao longo das linhas do VLT
Marcus Mesquita/MidiaNews
Para o MPF, ação poderá ensejar em situação irreversível ao patrimônio cultural de Cuiabá
DA ASSESSORIA

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT) emitiu uma recomendação à Secretaria de Estado de Cidades (Secid) de Mato Grosso para que suspenda o início das atividades de demolição dos imóveis localizados na Ilha da Banana, em Cuiabá, ou as paralise, caso já tenham iniciadas. A decisão foi tomada após o Governo do Estado noticiar a contratação de empresa para demolir 199 imóveis localizados ao longo das linhas do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), incluindo os situados na referida Ilha da Banana.

De acordo com o procurador da República Ricardo Pael Ardenghi, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) informou, no decorrer do processo, que o Estado de Mato Grosso não teria apresentado todos os documentos indispensáveis à aprovação da demolição de todos os imóveis localizados na Ilha da Banana. Ou seja, ainda estão pendentes documentos que comprovam a propriedade de alguns imóveis ali localizados, assim como também não foram apresentadas as complementações de projetos referentes a proposta da revitalização do Largo do Rosário.

O MPF/MT também havia solicitado ao corpo de peritos do órgão uma nota técnica com o objetivo de esclarecer se a área no entorno do Conjunto Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico de Cuiabá, onde será implantado o VLT e também a revitalização do Largo do Rosário, é patrimônio cultural que merece proteção. Além disso, os peritos também irão avaliar se a implantação do VLT poderá colocar em risco a integridade física dos bens tombados na região, por causa das escavações e fundações necessárias para a execução das obras.

Para o procurador Ricardo, demolir qualquer imóvel localizado na Ilha da Banana sem que todos os documentos exigidos na portaria nº 420/2010 do IPHAN sejam apresentados, além dos que foram solicitados em parecer técnico ao Estado de Mato Grosso, e sem que os peritos esclareçam o que foi solicitado, implica em riscos. “Ensejará uma situação irreversível, podendo acarretar danos irreparáveis ou de difícil reparação ao patrimônio cultural do município de Cuiabá”, concluiu o procurador.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2017
19.08.17 10h57 » Palavra da acusação "merece fé", diz Moro ao negar acesso
18.08.17 09h37 » MPF do Rio pediu suspeição de Gilmar no caso de Jacob Barata Filho
10.08.17 19h05 » MPF: ex-Secopa agiu de modo ilícito para favorecer consórcio VLT
10.08.17 08h47 » Silval diz que fez acordo de propina na compra de vagões do VLT
09.08.17 17h22 » Silval mandou dar R$ 1 mi para lobista não "importunar", diz MPF
09.08.17 16h56 » MPF diz que Riva usou esposa como “testa de ferro" em empresa
09.08.17 16h51 » Silval diz que grupo recebeu R$ 18 milhões em propina no VLT
09.08.17 11h20 » MPF investiga supostas falhas estruturais em casas de residencial
Julho de 2017
10.07.17 16h10 » Nadaf confirma ao MPF esquemas de corrupção no Estado; veja
07.07.17 11h51 » MPF critica fim de grupo de trabalho da "lava jato" na Polícia Federal



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet