Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPF / LAVA JATO

Tamanho do texto A- A+
03.04.2017 | 15h18
Henry pode ter recebido R$ 300 mil por mês, afirma MPF
Ex-deputado federal é apontado como um dos articuladores do esquema de desvios de recursos
Pedro Henry é acusado formalmente de receber R$ 200 mil em propina disfarçada de doação "oficial" de campanha
LAURA NABUCO
DA REDAÇÃO

O ex-deputado federal Pedro Henry pode ter chegado a receber até R$ 300 mil mensais de valores desviados da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás e direcionados ao Partido Progressista (PP).

A acusação consta em ação de improbidade administrativa proposta na última quinta-feira (30) contra ele e outras 10 pessoas, derivada da Operação Lava Jato.

Na ação, Henry é apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como um dos grandes articuladores e beneficiários do esquema, tendo atuado “ativamente para alçar e manter Paulo Roberto Costa no cargo de diretor de Abastecimento da estatal”.

De acordo com o processo, ao menos R$ 460 milhões foram desviados da Petrobrás e destinados ao PP entre os anos de 2004 a 2014. O dinheiro era destinado ao pagamento de propina, que garantia o apoio dos membros da legenda ao governo em votações no Congresso Nacional.

Segundo a delação do doleiro Alberto Youssef, o caixa da propina era administrado diretamente por José Janene (falecido em 2010) e políticos do grupo hegemônico, com destaque na cúpula partidária, que recebiam os maiores valores, variando de R$ 250 mil a R$ 300 mil mensais.

Na ação, Henry é citado como um destes membros, tendo chegado a participar, junto como José Janene e Pedro Corrêa, de reuniões com o então ministro José Dirceu e o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva para cobrar a nomeação de Paulo Roberto Costa na Diretoria de Abastecimento da Petrobrás.

Ainda conforme a delação, os pagamentos ocorriam por meio de entregas em espécie, transferências para contas de empresas ou pessoas indicadas, além de pagamentos de contas ou transferências de bens, disfarçados como doações “oficiais” de campanha.

Henry é acusado formalmente pelo MPF por ato de improbidade administrativa por supostamente receber, por intermédio da Construtora Queiroz Galvão S/A e pela Jaraguá Equipamentos Industriais, o pagamento de R$ 200 mil em propina, que teria sido dissimulada em forma de doação eleitoral, na campanha de 2010.

"A atuação de Pedro Henry no esquema foi confirmada por Paulo Roberto Costa, que, ao ser indagado a respeito das pessoas com quem mantinha contato no âmbito político, respondeu: 'No PP, Pedro Corrêa, tivemos alguns contatos, como o deputado, na época acho que era até o presidente do partido, o Pedro Henry, os principais no início eram esses'", diz trecho da ação.

Além de Henry, os acusados são os ex-deputados federais Pedro Corrêa (PE), João Pizzolatti (SC) e Mário Negromonte (BA); os deputados federais Nelson Meurer (PR), Mário Negromonte Júnior (BA), Arthur Lira (AL), Otávio Germano (RS), Luiz Fernando Faria (MG) e Roberto Britto (BA), além de João Genu, ex-assessor parlamentar do ex- deputado federal José Janene e já condenado na Lava-Jato.

Mensalão

Henry já havia sido condenado, na ação penal derivada do Escândalo do Mensalão, em dezembro de 2012, a sete anos e dois meses de prisão, em regime inicial semiaberto.

Ele foi acusado de ter recebido dinheiro em troca de apoio no Congresso Nacional ao Governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Também foi aplicada ao parlamentar a multa de R$ 932 mil.

Até dezembro de 2013, Pedro Henry cumpria a pena no presídio da Papuda, em Brasília. Depois, foi transferido para a Polinter, em Cuiabá. Em outubro de 2014, passou para o regime de prisão domiciliar, mediante monitoramento por tornozeleira eletrônica.

Em dezembro de 2015, o ministro Luis Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu livramento condicional ao ex-deputado federal.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
17.11.17 16h26 » Raquel Dodge defende prisão após condenação em segunda instância
16.11.17 16h30 » Raquel Dodge denuncia ministro do TSE por lesão corporal
16.11.17 16h17 » MPF pede bloqueio de R$ 24 milhões de Lula e do filho
08.11.17 15h50 » Raquel Dodge rejeita sugestões do ministro do trabalho
03.11.17 14h39 » Raquel Dodge tenta investigar suspeita de compra de decisões judiciais
01.11.17 17h42 » MPF apura possíveis ilegalidades em investigação, diz ministro
Outubro de 2017
28.10.17 10h22 » Dodge defende investigações sobre Temer no caso dos portos
18.10.17 16h49 » Carlos Nuzman e Sérgio Cabral são denunciados pelo MPF
05.10.17 17h31 » Nadaf: Silval exigiu que delegado fosse retirado de investigação
04.10.17 09h44 » Nadaf diz que esquema com Marfrig beneficiou Maggi e Silval



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet