Artigos
  • RODRIGO MESQUITA
    A propaganda pela reforma contrapõe o "velho" ao "moderno", como se leis antigas se tornassem ruins pelo mero decurso do tempo
  • AUREMÁRCIO CARVALHO
    A delação passa a ser considerada como prova quando o delator incrimina um terceiro e prova suas afirmações
  • VICTOR MAIZMAN
    O certo é que não seria possível deixar qualquer autoridade imune de qualquer forma de controle quanto a seus atos
  • GISELE NASCIMENTO
    Parece-me apressada e inadequada, neste momento histórico, a pretendida implantação de recall presidencial
MPF / A LISTA DE JANOT

Tamanho do texto A- A+
21.03.2017 | 11h38
Após delação, Maggi será investigado pelo MPF, diz jornal
"Sem chance alguma de estar envolvido com este pessoal", respondeu o ministro
Marcus Mesquita/Midianews
Jornal diz que ministro Baliro Maggi está na lista de Janot
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O jornal Valor Econômico afirmou em uma reportagem publicada na manhã desta terça-feira (21) que o ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP) seria um dos políticos citados nos pedidos de abertura de inquérito do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Janot pediu a abertura de inquérito contra nove ministros do governo do presidente Michel Temer (PMDB), por estarem citados nas delações de executivos da Odebrecht. 

Os pedidos foram protocolados no Supremo Tribunal Federal (STF), na última semana e devem ser encaminhados ainda hoje ao relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin. 

Mais um leão para matar hoje, o jornal Valor Econômico traz uma noticia inverídica. Minha resposta é: ‘Sem chance alguma de estar envolvido com este pessoal’

"Os nomes de seis ministros vieram a público na semana passada, logo após a entrega dos pedidos de investigação. O sétimo do rol é o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Outros dois nomes ainda não foram revelados", diz trecho da reportagem do Valor. Até o momento, já se tornaram públicos os nomes de seis ministros alvos da lista: Aloysio Nunes (PSDB, Relações Exteriores), Eliseu Padilha (PMDB, Casa Civil), Moreira Franco (PMDB, Secretaria-Geral), Gilberto Kassab (PSD, Ciência e Tecnologia), Bruno Araújo (PSDB, Cidades) e Marcos Pereira (PRB, Indústria, Comércio Exterior e Serviços). 

“Sem chance” 

Em nota, o ministro Balrio Maggi afirmou que não há quqleuer chance de seu nomes constar na lista.

“Mais um leão para matar hoje, o jornal Valor Econômico traz uma noticia inverídica. Minha resposta é: ‘Sem chance alguma de estar envolvido com este pessoal’”, disse Maggi. 

"É tão certo que isso não existiu, como amanhã será outro dia", completou o ministro, que ainda disse estar “100% tranquilo”. 

 

 

Na publicação do Jornal Econômico, a jornalista Maíra Magro afirma que os motivos que teriam levado Blairo a integrar a “lista de Janot” ainda não vieram à tona. 

Ela lembra, contudo, que o ministro – à época em que era senador - foi um dos que defendeu as obras de duplicação da BR-163, que liga Cuiabá a Santarém, e, mais tarde defendeu que as mesmas fossem repassadas à Odebrecht.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2017
26.06.17 21h37 » MPF denuncia presidente Temer ao STF por corrupção passiva
24.06.17 21h30 » A um passo da condenação
21.06.17 17h25 » Parecer do MPF é pela condenação de ex-prefeito de Cuiabá
07.06.17 08h50 » Membro do MPF é denunciado por atuar como informante de Joesley
06.06.17 16h05 » Estado, MP e Consórcio têm cinco dias para definir acordo
05.06.17 08h45 » Palácio acusa Janot de 'irresponsabilidade jurídica e intelectual'
04.06.17 14h54 » MP diz ser “absurdo” acordo encerrar ações contra Consórcio
02.06.17 09h18 » MPE e MPF rebatem Governo e negam ter “dado preço”
01.06.17 15h19 » Secretário acusa procuradora de "sonegar" informações
01.06.17 08h42 » MP cita “inviabilidade” e dá parecer contra acordo do VLT



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet