Artigos
  • JOAQUIM SPADONI
    Não há desenvolvimento econômico e social de um país fundado em fraudes e esquemas de corrupção
MPF / ESQUEMA NA SEDUC

Tamanho do texto A- A+
07.12.2016 | 17h10
MPF diz que não há elementos para investigar Taques e Leitão
Procurador-geral disse que apenas citação não é suficiente para abrir inquérito
Reprodução
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot: sem investigação por enquanto
DA REDAÇÃO

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidiu não instaurar inquérito contra o governador Pedro Taques e o deputado federal Nilson Leitão, ambos do PSDB, que foram citados na delação premiada do empresário Giovani Guizardi, da Dínamo Construtora.

A informação foi confirmada por uma fonte do Ministério Público Estadual. Na delação, o empresário deu detalhes do suposto esquema de fraude em licitação e propina que teria ocorrido na Secretaria de Estado de Educação (Seduc), que é investigado na Operação Rêmora.

Segundo Guizardi, um dos objetivos do esquema foi arrecadar recursos para o “retorno” das doações na ordem de R$ 10 milhões que o empresário Alan Malouf, sócio do Buffet Leila Malouf, teria feito à campanha de Taques, em 2014, por meio de caixa dois – dinheiro não declarado à Justiça Eleitoral.

Já o deputado Nilson Leitão, conforme o delator, teria se beneficiado de depósitos na ordem de R$ 20 mil, por determinação do então secretário Permínio Pinto (atualmente preso).

Porém, conforme apurou o MidiaNews, Rodrigo Janot entendeu que apenas a citação a Taques e Leitão, sem documentos que corroborassem os fatos, não era o bastante para determinar a abertura de inquérito.

Marcus Mesquita/MidiaNews

Nilson Leitão 190716

Nilson Leitão (foto) e Pedro Taques não serão investigados pela PGR

A delação foi enviada à Procuradoria-Geral da República em razão de os dois políticos possuir foro privilegiado e só podem ser investigados neste órgão.

“Houve uma consideração de que não há elementos suficientes para investigar o Taques e o Leitão. A análise é muito rigorosa, então apenas a citação do delator não gera elementos de prova”, disse a fonte.

Apesar da decisão, caso as investigações se aprofundem e surjam indícios contra os tucanos, Janot poderá reanalisar a questão e determinar a abertura de um inquérito.

Isso porque, conforme as informações, a PGR já teria recebido outros três encaminhamentos relativos a depoimentos de outros delatores que também teriam citado os nomes de Pedro Taques e de Nilson Leitão. Um desses delatores seria o ex-secretário Permínio Pinto.

Nesta hipótese, a possível investigação tramitaria em órgãos distintos: Taques seria alvo de inquérito no Superior Tribunal de Justiça e Leitão no Supremo Tribunal Federal.

Leia mais:

Gaeco encaminha delação de Giovani Guizardi à PGR

Taques defende apuração e diz que “ninguém está acima da lei” 

Delator: esquema era para pagar caixa dois em campanha de 2014

Maluf e Nilson Leitão recebiam propina de esquema, diz delator


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
24.05.17 09h11 » "Lava jato" viola a lei ao divulgar conversa de jornalista
22.05.17 09h00 » Janot defende continuidade de inquérito para investigar Temer
12.05.17 08h41 » Deputados e jornalista seriam alvos de escutas ilegais
09.05.17 17h32 » Impedimento criado por Janot anularia a atuação do MPF
09.05.17 17h28 » Janot quer impedimento de Gilmar Mendes e prisão de Eike
Abril de 2017
27.04.17 18h19 » MPF ajuíza ação por violações contra Xavantes de Marãiwatséde
27.04.17 14h54 » MPF reforça recomendação pela não demolição da Ilha da Banana
20.04.17 15h23 » PGR contesta atos da AL-RN que efetivaram servidores
15.04.17 11h46 » Delator da Lava Jato acusa Henry de pedir R$ 2 milhões
15.04.17 11h36 » Deputada e empresário de MT são citados em inquérito



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet