Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Se agente público pode agir de forma discricionária, Constituição censura atitudes incoerentes
MPF / CRIME ORGANIZADO

Tamanho do texto A- A+
26.10.2016 | 15h30
MPF/GO denuncia Carlinhos Cachoeira e Leréia por corrupção
Segundo denúncia, valor da propina mensal chegava a R$ 25 mil
Divulgação
DO G1

O Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) ofereceu denúncia contra o contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e o ex-deputado federal Carlos Alberto Leréia da Silva (PDSB-GO). O empresário é acusado do crime de corrupção ativa e o político, de corrupção passiva.

De acordo com a denúncia, feita na útlima sexta-feira (21), ao longo do ano de 2011, Carlinhos Cachoeira, acusado de chefiar uma máfia de caça-níqueis desarticulada pela Operação Monte Carlo, pagou ao então deputado Alberto Leréia uma espécie de "mensalinho".

Conforme o MPF-GO, o político recebia, quase que mensalmente, valores entre R$ 20 mil e R$ 25 mil, para beneficiar a organização criminosa comandada por Cachoeira.

 

Segundo as investigações, em ao menos cinco vezes diferentes, o ex-parlamentar usou de sua posição e conexões políticas para favorecer aos interesses do contraventor. A relação dos dois era tão íntima que o Cachoiera chegou a fornecer seu cartão de crédito pessoal além de senha a Leréia, diz a denúncia. Esse fato, descoberto em abril de 2012, relacionou, pela primeira vez, os dois denunciados.

O documento pontua ainda que os pagamentos eram realizados para que Leréia usasse seu mandato para "atender aos interesses particulares e, muitas vezes, ilícitos de Cachoeira". Na prática, conforme o MPF/GO, Cachoeira "alugou o mandato do amigo Leréia, mediante propina".

O advogado de Cachoeira, Cléber Lopes, informou à TV Anhanguera que ainda não foi informado da acusação e que, por isso, não iria se posicionar a respeito do caso. Já Carlos Alberto Leréia da Silva disse que não vai se posicionar sobre o caso.

O PSDB Goiás informou ao G1 que não vai se posicionar sobre o caso.

Indicações

Ainda de acordo com o MPF/GO, Cachoeira solicitou a Leréia que conseguisse a nomeação em cargos públicos para o governo de Goiás, pedidos atendidos pelo então político.

Nos autos constam que Leréia já confessou em depoimento que "se valia de seu mandato de deputado federal" para solicitar ao Governo de Goiás nomeações ou manutenção de alguns cargos. Na ocasição, ele afirmou que "é bastante comum" políticos receberem pedidos de várias pessoas solicitando empregos na administração estadual.

Neste contexto, Lereia pontuou que, "quando lícito", encaminhava, via ofício, solicitações para contratação ou manutenção de algum servidor no cargo.

O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa do Governo de Goiás e aguarda um posicionamento.

Operação Monte Carlo

Acusado de chefiar um esquema de exploração ilegal de caça-níqueis em Goiás, Cachoeira já havia sido preso em fevereiro de 2012, quando a Operação Monte Carlo foi deflagrada pela PF e o Ministério Público Federal. Ele ganhou liberdade em 11 de dezembro do mesmo ano.

A operação revelou ligação entre o contraventor e o ex-senador goiano Demóstenes Torres (DEM). De acordo com o MPF, o ex-parlamentar é acusado de prática de corrupção e advocacia administrativa em favor de Cachoeira.

Desde então, Cachoeira já foi condenado pelos crimes de peculato, corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha. A última condenação foi no dia 23 de setembro, por violação de sigilo funcional, com pena de três anos de prisão. Ele responde aos crimes em liberdade.

No dia 30 de junho deste ano, Cachoeira foi novamente preso, no condomínio de luxo onde mora, em Goiânia, durante a Operação Saqueador, deflagrada pela Polícia Federal. A ação teve como objetivo prender pessoas envolvidas em um esquema de lavagem de R$ 370 milhões desviados dos cofres públicos. Ele foi solto no dia 17 de agosto.

Leréia

Em abril de 2014, O plenário da Câmara aprovou, por 353 votos a 26, a suspensão por 90 dias do mandato de Leréia justamente por seu suposto envolvimento com Cachoeira. Na ocasião, ele era alvo de processo por quebra de decoro parlamentar.

Os deputados optaram por ratificar o parecer do deputado Sérgio Brito (PSC-BA), relator do processo contra Leréia no Conselho de Ética. O relatório era mais brando que o parecer aprovado anteriormente pela Mesa Diretora da Câmara, que recomendava a cassação. Por conta disso, seu suplente na época, Valdivino José de Oliveira (PSDB-GO), foi chamado para assumir o cargo.

Em fevereiro de 2015, Leréia assumiu a presidência do da Agência Brasil Central (ABC), mas saiu em maio deste ano para disputar a prefeitura de Minaçu. No entanto, ele perdeu a eleição.

Fonte:

http://g1.globo.com/goias/noticia/2016/10/mpfgo-denuncia-carlinhos-cachoeira-e-lereia-por-corrupcao.html


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
24.05.17 09h11 » "Lava jato" viola a lei ao divulgar conversa de jornalista
22.05.17 09h00 » Janot defende continuidade de inquérito para investigar Temer
12.05.17 08h41 » Deputados e jornalista seriam alvos de escutas ilegais
09.05.17 17h32 » Impedimento criado por Janot anularia a atuação do MPF
09.05.17 17h28 » Janot quer impedimento de Gilmar Mendes e prisão de Eike
Abril de 2017
27.04.17 18h19 » MPF ajuíza ação por violações contra Xavantes de Marãiwatséde
27.04.17 14h54 » MPF reforça recomendação pela não demolição da Ilha da Banana
20.04.17 15h23 » PGR contesta atos da AL-RN que efetivaram servidores
15.04.17 11h46 » Delator da Lava Jato acusa Henry de pedir R$ 2 milhões
15.04.17 11h36 » Deputada e empresário de MT são citados em inquérito



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet