Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Se agente público pode agir de forma discricionária, Constituição censura atitudes incoerentes
MPF / DURANTE A RIO-2016

Tamanho do texto A- A+
16.09.2016 | 16h46
MPF denuncia mato-grossense e mais sete por terrorismo
Leonid El Kadri está entre os citados em ação proposta na Justiça do Paraná
Reprodução
Leonid El Kadri está entre os denunciados pelo MPF
DA FOLHAPRESS

O grupo investigado na Operação Hashtag, suspeito de planejar um atentado terrorista nos Jogos da Rio-16, foi denunciado nesta sexta (16) à Justiça Federal do Paraná. Entre os denunciados, está o mato-grossense Leonid El Kadre de Melo, 32 anos.

Eles são acusados dos crimes de promoção de organização terrorista e associação criminosa. É a primeira denúncia oferecida no Brasil por esses crimes, previstos na Lei Antiterrorismo, promulgada este ano.

Dos 15 investigados que estão presos temporariamente em Campo Grande (MS), oito foram denunciados.

Além de El Kadri, também foram denunciados Alisson Luan de Oliveira, 19 anos; Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo, 27; Israel Pedra Mesquita, 26; Levi Ribeiro Fernandes de Jesus, 21; Hortêncio Yoshitake, 29; Luís Gustavo de Oliveira, 27; e Fernando Pinheiro Cabral, 22.

Dos oito, cinco também são acusados de incentivo de crianças e adolescentes à prática de crimes, e um deles, de recrutamento para organização terrorista.

 Valdir Pereira da Rocha, de 36 anos, outro mato-grossense citado na operação, não foi denunciado.

Os planos eram discutidos pelo aplicativo Telegram e por e-mail, com frequentes apologias ao Estado Islâmico. Ramificado em sete Estados, o grupo começou a ser monitorado em março, depois de a PF receber um alerta do FBI.

O grupo cogitou usar armas químicas no ato e contaminar uma estação de abastecimento de água, conforme revelou a Folha.

Prisões

Todos os investigados estão presos temporariamente desde a deflagração da operação, entre os meses de julho e agosto.

O Ministério Público Federal pediu a prisão preventiva dos oito denunciados, além da prorrogação da temporária de outro investigado. Os outros seis suspeitos devem ser liberados, a pedido da Procuradoria, mas serão monitorados pela Justiça.

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva, responsável pelo caso, irá decidir se acata ou não a denúncia e os pedidos de prisão.

Outro lado

Em depoimentos recentes à Polícia Federal, parte dos investigados voltou atrás e disse não apoiar o Estado Islâmico ou concordar com o terrorismo.

Um dos denunciados (Luís Gustavo de Oliveira) disse que postagens sobre a produção de uma bomba caseira eram "apenas uma brincadeira", e outro (Oziris Azevedo) afirmou que "em nenhum momento passou pela cabeça aderir à convocação para doutrinação e treinamento físico".

Outro dos denunciados, Levi Fernandes de Jesus, ainda afirmou que o islamismo fez parte de "uma fase de confusão mental", e disse ter se convertido ao cristianismo recentemente.

A maioria dos presos, porém, permaneceu em silêncio quando perguntada sobre os planos do atentado terrorista ou sua simpatia pelo Estado Islâmico.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
22.05.17 09h00 » Janot defende continuidade de inquérito para investigar Temer
12.05.17 08h41 » Deputados e jornalista seriam alvos de escutas ilegais
09.05.17 17h32 » Impedimento criado por Janot anularia a atuação do MPF
09.05.17 17h28 » Janot quer impedimento de Gilmar Mendes e prisão de Eike
Abril de 2017
27.04.17 18h19 » MPF ajuíza ação por violações contra Xavantes de Marãiwatséde
27.04.17 14h54 » MPF reforça recomendação pela não demolição da Ilha da Banana
20.04.17 15h23 » PGR contesta atos da AL-RN que efetivaram servidores
15.04.17 11h46 » Delator da Lava Jato acusa Henry de pedir R$ 2 milhões
15.04.17 11h36 » Deputada e empresário de MT são citados em inquérito
06.04.17 17h45 » MPF recomenda imediata suspensão da demolição



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet