Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Se agente público pode agir de forma discricionária, Constituição censura atitudes incoerentes
MPF / MORTE DE PF

Tamanho do texto A- A+
09.08.2016 | 16h17
MPF apura supostas falhas em investigação de morte de policial
Agente foi morto em maio do ano passado e investigações podem ter tido falhas
Reprodução
Policial federal Mário Henrique de Almeida Mattos (no destaque), foi morto em combate
VINICIUS LEMOS
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou inquérito civil para apurar supostas falhas nas investigações da morte do policial federal Mário Henrique de Almeida Mattos, em maio do ano passado.

O agente da PF foi morto durante uma ação que iria prender uma quadrilha especializada em roubos de aeronaves, em Sinop (a 500 quilômetros de Cuiabá).

A ação teria sido iniciada após policiais federais receberem informações de que os criminosos, que haviam roubado um avião no mês anterior, chegariam na madrugada de sábado, para roubar mais duas aeronaves. O crime seria praticado em um aeroclube conhecido como "Canarinho", às margens da MT-140.

Ao chegarem ao lugar onde estavam as aeronaves, os agentes teriam se deparado com os assaltantes, que estavam em três veículos.

Conforme a PF, os membros da quadrilha estavam em uma L 200, uma picape Strada verde e uma Saveiro preta.

Os bandidos renderam funcionários do aeródromo e, ao verem os agentes da PF, teriam começado a atirar.

No tiroteio, o policial federal Mário Henrique de Almeida Matos teria sido atingido na região do tórax.

Ele chegou a ser socorrido e encaminhado ao Hospital Regional de Sinop, porém, não resistiu ao ferimento e morreu momentos depois.

Dias depois da morte do policial federal, cinco integrantes da quadrilha foram presos em Sinop.

Um sexto homem, que era apontado como o líder da quadrilha, também foi identificado e acabou sendo assassinado durante confronto com a Polícia Federal. Ele teria planejado e financiado o roubo das aeronaves.

De acordo com o inquérito civil instaurado pelo Ministério Público Federal, a apuração sobre o modo como foram conduzidas as investigações da morte do agente deverá utilizar "todas as medidas possíveis e necessárias, judiciais e extrajudiciais".

A portaria que instaurou o inquérito foi publicada em 26 de julho e é assinada pela procuradora da república Samira Engel Domingues.

O agente da PF

Segundo a Polícia Federal, o agente Mário Henrique de Matos trabalhou durante dois anos em Sinop. Ele era casado com uma policial civil e também tinha residência em Brasília (DF).

Depois do crime, o corpo de Matos foi transladado de avião para Brasília e ele foi enterrado no Cemitério Campo da Esperança.

Leia mais sobre o assunto: 

PF mata líder de quadrilha que executou agente federal em Sinop

Piloto relata horas de terror sob a mira de assaltantes em MT

PF faz cerco a 6º membro do bando que matou agente federal

Policial federal é morto em confronto com quadrilha em Sinop


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
24.05.17 09h11 » "Lava jato" viola a lei ao divulgar conversa de jornalista
22.05.17 09h00 » Janot defende continuidade de inquérito para investigar Temer
12.05.17 08h41 » Deputados e jornalista seriam alvos de escutas ilegais
09.05.17 17h32 » Impedimento criado por Janot anularia a atuação do MPF
09.05.17 17h28 » Janot quer impedimento de Gilmar Mendes e prisão de Eike
Abril de 2017
27.04.17 18h19 » MPF ajuíza ação por violações contra Xavantes de Marãiwatséde
27.04.17 14h54 » MPF reforça recomendação pela não demolição da Ilha da Banana
20.04.17 15h23 » PGR contesta atos da AL-RN que efetivaram servidores
15.04.17 11h46 » Delator da Lava Jato acusa Henry de pedir R$ 2 milhões
15.04.17 11h36 » Deputada e empresário de MT são citados em inquérito



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet