Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPF / "MINHA CASA, MINHA VIDA"

Tamanho do texto A- A+
09.07.2016 | 10h51
MPF apura supostas irregularidades em programa de habitação em Cuiabá
Inquérito investiga cadastramento de pessoas no 'Minha Casa, Minha Vida'
Divulgação
nvestigação teve início após denúncia feita por moradora da Capital
LISLAINE DOS ANJOS
DO G1

Um inquérito civil foi instaurado pelo Ministério Público Federal (MPF) para investigar supostas irregularidades no cadastro de pessoas pela Prefeitura de Cuiabá no programa federal “Minha Casa, Minha Vida” para o Residencial Altos da Serra II, na capital. As apurações tiveram início após uma representação feita por uma mulher que descobriu, ao tentar se cadastrar no programa de habitação, que já constava como beneficiária.

A portaria que determina a abertura do inquérito foi assinada pelo procurador da República Cleber de Oliveira Tavares Neto em 9 de junho deste ano. À reportagem, a Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária de Cuiabá informou que já foi notificada pelo MPF e que ainda está no prazo de dez dias para enviar uma resposta ao órgão.

Conforme consta no despacho do procurador, uma moradora de Cuiabá entrou em contato com o MPF alegando ter se cadastrado no programa em novembro de 2013, na esperança de conseguir uma casa no Residencial Altos da Serra II, mas que as habitações não foram concluídas. O G1questionou a Secretaria de Habitação a respeito da obra, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Segundo a mulher, ao procurar a prefeitura para realizar um novo cadastro, foi informada de que não estava mais apta a participar do programa pois já havia sido beneficiada com uma casa no referido residencial. A moradora alega, porém, que ainda mora de aluguel com as filhas, não tendo residência própria.

Segundo o MPF, um ofício foi enviado à Secretaria de Habitação do municípios questionando a pasta a respeito da entrega das casas do Residencial Altos da Serra II e da atual situação da moradora que fez a denúncia. De acordo com a secretaria, o ofício foi encaminhado para a diretora de habitação, que ainda está levantando as informações solicitadas.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
17.11.17 16h26 » Raquel Dodge defende prisão após condenação em segunda instância
16.11.17 16h30 » Raquel Dodge denuncia ministro do TSE por lesão corporal
16.11.17 16h17 » MPF pede bloqueio de R$ 24 milhões de Lula e do filho
08.11.17 15h50 » Raquel Dodge rejeita sugestões do ministro do trabalho
03.11.17 14h39 » Raquel Dodge tenta investigar suspeita de compra de decisões judiciais
01.11.17 17h42 » MPF apura possíveis ilegalidades em investigação, diz ministro
Outubro de 2017
28.10.17 10h22 » Dodge defende investigações sobre Temer no caso dos portos
18.10.17 16h49 » Carlos Nuzman e Sérgio Cabral são denunciados pelo MPF
05.10.17 17h31 » Nadaf: Silval exigiu que delegado fosse retirado de investigação
04.10.17 09h44 » Nadaf diz que esquema com Marfrig beneficiou Maggi e Silval



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet