Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPF / INQUÉRITO CIVIL

Tamanho do texto A- A+
07.07.2016 | 08h33
MPF investiga mais de 10 mil alunos "fantasmas" em Mato Grosso
Investigações são baseadas em levantamento da Seduc, que apontou estudantes ausentes
Marcus Mesquita/MidiaNews
MPF instaurou inquérito e investigará situação dos alunos matriculados que não frequentam as aulas
VINICIUS LEMOS
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou inquérito civil público para investigar a existência de 10.813 alunos "fantasmas" em Mato Grosso.

Conforme as apurações iniciais, os alunos eram matriculados, mas não frequentavam as aulas.

De acordo com o MPF, as inscrições foram feitas pela internet, porém os "alunos" nunca teriam entregado a documentação para efetivar a matrícula e nem teriam comparecido às aulas.

A portaria que instaurou o inquérito civil é assinada pela procuradora da República Valéria Etgeton de Siqueira.

Segundo o Ministério Público Federal, ao declarar o número de matrículas para solicitar repasse financeiro ao Governo, as unidades informavam uma quantidade de alunos que incluía os “fantasmas”.

A descoberta sobre os estudantes ausentes foi feita pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), após levantamento nas unidades de ensino do Estado em julho do ano passado.

A investigação da Seduc, que motivou a instauração do inquérito civil, também apontou que, entre os “fantasmas”, havia casos de duplicidade de alunos e situações de estudantes que não tinham perfil para ocupar as vagas destinadas.

Na época da divulgação do levantamento, a Seduc informou que identificou alunos ausentes em 101 unidades de sete municípios.

A pasta relatou, logo que informou sobre a análise feita nas unidades de ensino, que o prejuízo causado aos cofres públicos, por conta da suposta manipulação nas matrículas, era de R$ 2,5 milhões.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
17.11.17 16h26 » Raquel Dodge defende prisão após condenação em segunda instância
16.11.17 16h30 » Raquel Dodge denuncia ministro do TSE por lesão corporal
16.11.17 16h17 » MPF pede bloqueio de R$ 24 milhões de Lula e do filho
08.11.17 15h50 » Raquel Dodge rejeita sugestões do ministro do trabalho
03.11.17 14h39 » Raquel Dodge tenta investigar suspeita de compra de decisões judiciais
01.11.17 17h42 » MPF apura possíveis ilegalidades em investigação, diz ministro
Outubro de 2017
28.10.17 10h22 » Dodge defende investigações sobre Temer no caso dos portos
18.10.17 16h49 » Carlos Nuzman e Sérgio Cabral são denunciados pelo MPF
05.10.17 17h31 » Nadaf: Silval exigiu que delegado fosse retirado de investigação
04.10.17 09h44 » Nadaf diz que esquema com Marfrig beneficiou Maggi e Silval



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet