Artigos
  • JOAQUIM SPADONI
    Os salários que são pagos com nosso dinheiro devem ter critérios claros, pautados e limitados em Lei
  • RENATO NERY
    Apesar dos grande avanços, está-se liquidando o que ainda resta da nobre e festejada profissão
MPF / R$ 500 MILHÕES

Tamanho do texto A- A+
05.05.2016 | 08h36
MPF conclui Operação Ararath com 17 denúncias apresentadas
Polícia Federal deflagrou operação em novembro de 2013, em Cuiabá
Marcus Mesquita/MidiaNews
O procurador-chefe do MPF-MT, Gustavo Nogami: investigações encerradas
DA REDAÇÃO

Após dois anos de duração, a força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) que atuou na Operação Ararath encerrou suas atividades, com 17 denúncias apresentada à Justiça durante as oito fases. A operação apurou a prática de crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro no estado de Mato Grosso.

Nesta terça-feira (3), o relatório final do trabalho realizado pela força-tarefa foi lido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na sessão do Conselho Superior do MPF.

Segundo o MPF, a Ararath - que foi deflagrada em novembro de 2013 pela Polícia Federal - indisponibilizou quase R$ 500 milhões durante os 18 meses de trabalho. Além disso, o empresário Gércio Mendonça Junior firmou termo de colaboração premiada e já restituiu R$ 8 milhões ao erário - até dezembro próximo, serão mais R$ 4 milhões.

A primeira ação penal proposta pelo grupo resultou na sentença do ex-secretário-chefe da Casa Civil do Governo de Mato Grosso Éder de Moraes e do ex-superintendente do Bic Banco no estado Luis Carlos Cuzziol, condenados a 69 e 31 anos de reclusão respectivamente.

A operação também resultou na instauração de 56 procedimentos extrajudiciais, como rastreamento de bens, apuração de atos de improbidade administrativa e infrações penais.

Quanto às cautelares, relacionadas às investigações em trâmite na 5ª Vara da Seção Judiciária de Mato Grosso, já foram concedidas mais de 80 ordens judiciais referente a medidas, como prisão temporária, prisão preventiva, condução coercitiva, sequestro de bens, busca e apreensão, interceptação telefônica, entre outras.

A investigação contempla mais de 100 autos com depoimentos, perícias, relatórios, documentos.

No período de duração da força-tarefa, foram realizadas 23 audiências judiciais de instrução processual e interrogatório, além de uma série de reuniões com órgãos externos.

A força-tarefa, segundo o MPF, reuniu-se com a Polícia Federal 25 vezes e com o Ministério Público Estadual 24 vezes para tratar sobre compartilhamento de provas e estratégias conjuntas, além de 50 outros encontros com outros órgãos. Tramitam ainda 18 inquéritos policiais na Superintendência Regional do Departamento de Polícia Federal em MT.

A força-tarefa foi constituída após aprovação no Conselho Superior do Ministério Público Federal, em junho de 2014, para acompanhar os feitos judiciais e extrajudiciais do caso, além de auxiliar a análise de mídias e documentos apreendidos por ordem do Supremo Tribunal Federal. Em novembro de 2015, a força-tarefa foi prorrogada para atuar por mais 120 dias, sendo encerrada em abril deste ano.

O procurador regional da República Gustavo Velloso, da Procuradoria Regional da República na 1ª Região, coordenou os trabalhos. Atuaram no grupo os procuradores da República Denise Slhessarenko, Ronaldo Queiroz e Vanessa Scarmagnani, da Procuradoria da República em Mato Grosso, e Rodrigo Prado, da Procuradoria da República em Minas Gerais.

Ararath

A Operação Ararath, produto de uma atuação conjunta envolvendo o Ministério Público Federal, o Supremo Tribunal Federal, a Justiça Federal e a Polícia Federal, teve por objetivo desbaratar uma organização criminosa que praticava crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro no Estado de Mato Grosso.

O foco da investigação deu-se contra pessoas e empresas que estivessem agindo como instituição financeira sem autorização do Banco Central e, nesse cenário, facilitando a lavagem de ativos de origem ilícita, cujo dinheiro circularia num sistema financeiro paralelo sem controle e fiscalização.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2017
19.08.17 10h57 » Palavra da acusação "merece fé", diz Moro ao negar acesso
18.08.17 09h37 » MPF do Rio pediu suspeição de Gilmar no caso de Jacob Barata Filho
10.08.17 19h05 » MPF: ex-Secopa agiu de modo ilícito para favorecer consórcio VLT
10.08.17 08h47 » Silval diz que fez acordo de propina na compra de vagões do VLT
09.08.17 17h22 » Silval mandou dar R$ 1 mi para lobista não "importunar", diz MPF
09.08.17 16h56 » MPF diz que Riva usou esposa como “testa de ferro" em empresa
09.08.17 16h51 » Silval diz que grupo recebeu R$ 18 milhões em propina no VLT
09.08.17 11h20 » MPF investiga supostas falhas estruturais em casas de residencial
Julho de 2017
10.07.17 16h10 » Nadaf confirma ao MPF esquemas de corrupção no Estado; veja
07.07.17 11h51 » MPF critica fim de grupo de trabalho da "lava jato" na Polícia Federal



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet